UMA GUERRA CIVIL


Por: Heba Ayyad .


Biden está seguindo a mesma agenda de Trump ao criar seu gabinete...

Sua administração será de dogmáticos radicais, assim como a de Trump. Isso certamente levará seu país cada vez mais próximo de uma guerra civil total.


Trump prometeu que acabaria com a política externa golpista e de beligerância dos EUA... Uma agenda que herdou de Obama... Outro mentiroso sacripanta cínico falacioso falastrão... que assim que se auto presenteou ao mérito do nobel da paz,.. assaltou a Lybia e assassinou Kadafi... uma política de assaltos á países militarmente fracos, para mudança de regime e de derrubada de governos estrangeiros com fins lucrativos aos interesses de sua elite cabal.


Mas o que Trump fez assim que assumiu o cargo? Ele escolheu um grupo de warhawks neocon absolutistas para sua Guarda Pretoriana.


Não houve um único momento durante o curso de sua presidência em que um ou outro de seus gananciosos falcões não tenha buscado furiosamente uma mudança de regime em um país ou outro... Especialmente na América Latina..


Venezuela

A Venezuela foi o primeiro alvo para a mudança de regime. John Bolton liderou o ataque juntamente com outros indivíduos demoníacos dentro do clique do inner circle de serviçais voluntários de Trump.


Iran

O Irã foi o outro demonizado por estes poneropatas... Logo após a Venezuela... com Trump e outros demonizando o Irā... Trump foi além de Obama... Assassinou o General Iraniano Soleimani covardemente.. quase causando uma terceira guerra que entraria China e Rússia... Parceiros do Irā...


Síria

A tentativa de destituir o presidente da Síria continuou com o modus operandi "Ato César," que impôs sanções brutais a qualquer tentativa do governo sírio de restaurar o país e infraestrutura após a miséria de anos em que os EUA/UK espalharam caos, morte e a destruição por todo o país.


Trump também garantiu que a Síria fosse proibida de usar e comercializar seu próprio petróleo... tarefa cruel que causou fome e pobreza ao povo da Síria, por tanto tempo ...


China.

Nos últimos tempos, tanto Trump quanto Pompeo têm demonizado a China implacavelmente, usando qualquer questão inventada para gerar ódio contra a China.


Nos últimos dias da infame administração de Trump, Pompeo começou a lançar tweets cheios de ódio para a China em volumes cada vez maior, desesperado em usar cada momento restante de seu status vil.


Cuba.

Nos últimos dias, a agressão de Trump, mostrada nos primeiros dias de sua presidência contra Cuba, ressurgiu com o anúncio de que Cuba voltará à lista dos Estados Unidos de países que apoiam o terrorismo... Cuba que exporta médicos pro mundo todo...


Este é o resultado líquido das mentiras de Trump sobre o fim da mudança de regime e a busca de relações harmoniosas com outros países.


Assim narra Trump.:


“Vamos buscar uma nova política externa que finalmente aprenda com os erros do passado. Vamos parar de derrubar regimes e derrubar governos.

Nosso objetivo é a estabilidade, não o caos. Em nossas negociações com outros países, buscaremos interesses comuns sempre que possível e buscaremos uma nova era de paz, compreensão e boa vontade. ”


Donald J. Trump, 1º de dezembro de 2016


A declaração acima e outras que ele fez deram a impressão de que ele pretendia acabar com a política de assaltos,roubos e mudança de regime e cooperar com outras nações e é sem dúvida a maior e mais enganosa mentira de sua presidência.


Biden, é claro, não fez tal promessa, suas palavras até agora e as escolhas do gabinete que ele fez apontam para uma intenção diametralmente oposta.

A administração de Biden seguirá a da era Obama que, apesar das esperanças de um sentimento geral anti-guerra, tornou-se tão belicista a sua própria maneira quanto a administração de GW Bush que a precedeu.

Trump obviamente usou o mesmo truque para indicar que iria seguir uma política anti-guerra, ao mesmo tempo que iniciava o oposto quando estava no cargo.


Biden reuniu ao seu redor os neoconservadores que estavam no governo Obama.


A retórica anti-guerra que elegeu Obama após os anos belicistas de GW Bush foi há muito esquecida quando Obama deixou o cargo. No final dele, a Rússia se tornou o inimigo número um do governo dos EUA.

Dessas várias formas e mudanças de administração, uma política avança como uma constante, a política de mudança de regime baseada no direito inalienável auto-concedido da América de atacar qualquer país, a qualquer hora e por qualquer meio, quando quiser.


Biden montou seu gabinete para levar essa meta ao máximo. E, ao contrário de Trump, ele o fará em plena cooperação e consulta com todos os aliados europeus da América. A retórica irá espelhar a de Trump, Bolton e Pompeo, exceto que irá incorporar aqueles aliados aos quais Trump foi ambíguo em seu apoio, a OTAN e aqueles que o Ocidente escolhe chamar de "O Mundo Livre".


A mudança de regime como política permaneceu viva e bem ao longo de todos os anos de 11 de setembro até agora e, devido às decisões tomadas imediatamente após, ela continuará por um futuro indefinido.


Dito tudo isso, argumentando que os governos Bush, Obama, Trump e Biden estão todos firmemente unidos em apoio à mudança de regime, apesar das diferenças de ênfase e táticas, o que os divide?


Quais são as diferenças que vão perpetuar e alimentar a guerra civil de extremos entre o povo dos Estados Unidos, senão seus dois partidos principais?


Uma observação superficial do comportamento dos dois lados na guerra que já começou mostrará...


Os EUA podem ter sido divididos em grupos partidários nos últimos anos, muitas teorias da conspiração foram ouvidas mesmo décadas atrás de milícias armadas contra os helicópteros negros das Nações Unidas e afins.

Essa mania de conspirar para roubar o poder, se espalhou muito mais desde então.


Agora, existem duas visões e versões totalmente diferentes da realidade, completamente fora do alcance uma da outra, onde não existe possibilidade de confiança ou compreensão. Visão exacerbada por anos, quando milhões de americanos se sentiram negligenciados por suas elites, quando os empregos fugiram para o exterior, as indústrias entraram em decadência e as comunidades entraram em colapso, os salários estagnaram e a esperança de tempos melhores para eles desapareceu, enquanto as famílias sofreram indignidades cada vez maiores enquanto caíam na pobreza no país mais rico do mundo.


Enquanto milhões de americanos sofriam aparentemente sem limite ou possibilidade de assistência de qualquer tipo significativo, as elites da América enriqueceram além da riqueza de Creso.


Uma pequena porcentagem de americanos estava tirando proveito de todas as riquezas disponíveis, enquanto a grande maioria lutava contra o medo, o estresse, a penúria e a diminuição da qualidade de vida ano após ano.


Milhões estavam afundados em dívidas e vivendo de salário em salário, milhares iam à falência todos os anos por ficarem doentes e não poderem pagar suas contas médicas, outros trabalhavam a cada hora em dois ou três empregos servis de baixa remuneração apenas para sobreviver e alimentar seus famílias.

A América estava se dividindo mais do que nunca entre os ricos e os pobres.


Enquanto isso, os liberais achavam difícil imaginar que algo estava errado.

Eles estavam indo muito bem em seus empregos bastante satisfatórios, seguros e bem remunerados na mídia, arte, educação, cultura, política e todas as funções simbióticas necessárias para manter todos aqueles como eles no confortável topo da árvore.


Então, é um mistério tão grande que os "camponeses" americanos que mal receberam uma educação e que cambalearam de uma redundância / execução hipotecária para outra até as profundidades raivosas de um estilo de vida degradante em meio a um luxo de elite além de todos os limites anteriormente vistos... estão começando a se revoltar?


Essa foi a insatisfação e desespero que Trump jogou.

E ele desempenhou bem o seu papel.

Foi fácil.

Seus alvos eram óbvios e os assuntos de sua retórica estavam bem ali sob uma luz ofuscante ... para quem tem olhos para ver isso. No entanto, nenhum olho liberal viu. Eles tinham preocupações diferentes.

As massas imundas lutando para sobreviver não tinham o menor interesse. Mas Steve Bannon e Stephen Miller viram o enorme potencial latente em toda essa energia amplamente desfocada e sabiam que ela poderia ser direcionada para ganhar um dos maiores prêmios, a presidência.


Eles procuraram por um candidato e depois de alguns erros encontraram Trump e o usaram como uma arma carregada para destruir tudo em seu caminho, seja de direita ou esquerda, democratas ou republicanos...


Eles instigaram uma cruzada que escapou de quaisquer preocupações morais ou éticas e fizeram Trump dizer o que quer que eles soubessem que pressionaria os botões emocionais que sabiam que atrairiam total apoio dos "camponeses" americanos desesperados por mudanças.


Este é o exército que você vê em suas telas.

Eles PERMANECEM desesperados e prontos para lutar tão duro e tão implacavelmente quanto necessário.

Bannon e Miller acertaram em cheio e, por meio de Trump, seu cão de ataque idiota, mas eficaz, suas previsões de sucesso foram confirmadas.

As promessas feitas e a retórica de guerra agressiva e ruidosa funcionaram perfeitamente.

E ainda faz ...

Porque essa parte era fácil ... entregar soluções, não.

O governo Trump foi dividido pela incompetência, idiotia, egoísmo e uma incapacidade enlouquecida de fazer qualquer coisa que se aproximasse de soluções planejadas ou realizadas que fizessem qualquer incursão em problemas massivos que os “camponeses” enfrentavam. Assim, a raiva, a frustração e o desespero permanecem. Assim como a fé cega no homem que pelo menos reconheceu sua dor (ou parecia, também ensaiada por Bannon e Miller).


As palavras de Biden de unir a América são papas melancólicas, a besteira política usual que não significa exatamente nada em termos reais...

Ele vai apresentar políticas simbólicas de muito pouco alarde, um band-aid barato para um câncer inflamado ... em resposta ao seu fracasso, ele tentará voltar o foco para os "inimigos" no exterior ... Enquanto uma ameaça crescente da guerra civil de extremos irrompem em toda parte ao seu redor.


Heba Ayyad -Escritora, poeta e jornalista Palestina

104 visualizações0 comentário