PSOL ENFRENTE!

Atualizado: Jul 17






CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE CONGRESSUAL.



Observação!


Após avaliação coletiva, encaminhamos nota ao Presidente do Partido nos posicionando sobre a impertinência da realização do 7° congresso nacional do partido neste momento, onde a curva ascendente da pandemia avança e não podemos fazer um congresso que exclua filiados e os coloque em movimento presencial para cumprir atividades partidárias que poderiam ser posteriormente realizadas. Portanto, nossa participação se dará neste contexto de riscos, com indevida atividade presencial e de exclusão virtual para grande parte da nossa militância. Outros seguimentos também se manifestaram sobre esta temática, porém, o mesmo será realizado diante deste momento crucial por que passa a humanidade, a classe trabalhadora, bem como o conjunto dos filiados e filiadas ao Psol.



Pauta do congresso


O 7º Congresso Nacional terá como temas para discussão e aprovação de resoluções:

I) Conjuntura Internacional

II) Conjuntura Nacional e Tática

III) Balanço da gestão e organização partidária

IV) Eleição da nova direção nacional


CONJUNTURA INTERNACIONAL

Fim da União Soviética. Fim do socialismo no Leste Europeu. Uma nova conjuntura internacional, de abalos mundiais. Fato não previsto por analistas de qualquer tendência político- ideológica.

O mundo ficou perplexo.

Neste novo contexto, logo, países capitalistas se veem em condições de colocarem em prática maior aprofundamento da concentração de capital, levando a exploração da classe trabalhadora do paroxismo até às últimas consequências.

O neoliberalismo surge e se impõe, com sua política de destruir as históricas conquistas da classe trabalhadora e a soberania dos povos, com seu neocolonialismo de privatizações a usurpa ao patrimônio público de países de capitalismo periférico, de pequeno ou médio desenvolvimento das forças produtivas. O neoliberalismo aparece como expressão atual do capitalismo imperialista, de poucas e grandes corporações, mormente financeiras, a se apoderarem cada vez mais das riquezas produzidas pela maioria das populações das diversas regiões do planeta.


E a Social-democracia?

Fim da Segunda Guerra Mundial. A União Soviética, devido ao seu heroico e determinante papel na derrota da Alemanha nazista, com seu povo perdendo mais de 20 milhões de vidas na resistência ao mais terrorista dos estados que a burguesia e a extrema direita já criaram para a defesa de seus interesses de classe, não só trouxe consigo a libertação de outros povos, mas também a possibilidade da implantação do socialismo nos países por ela libertados.

Assim, após a Segunda Grande Guerra, o socialismo avançava, deixando a burguesia mundial em polvorosa, temerosa de que ele avançasse revolucionariamente nas suas principais regiões de domínio. A saída possível era buscar um pacto social - a socialdemocracia - com concessões de Estado para as massas trabalhadoras, lideradas por uma certa aristocracia operária, disposta a conciliação de classe e seduzida pela sociedade de consumo que amenizava as agruras do proletariado.

Surgia a Europa do chamado Estado de Bem-Estar Social - o Welfare State, momento em que o capitalismo passou a ser apelidado de "socialismo democrático" pelos teóricos da esquerda reformista. A burguesia, com isso, conseguia uma grande e estratégica vitória de momento: a divisão internacional da classe trabalhadora, que se fracionou em centrais sindicais mundiais. E o pior, o que os capitalistas eram obrigados a conceder socialmente, na Europa, extraíam da exploração dos povos de outras regiões do mundo, como a América Latina.

O projeto do pacto de classes teve lá seu êxito no continente europeu, ainda que não tenha conseguido certo avanço deste movimento em alguns dos seus países. Contudo, após o desmonte da URSS e de outros importantes países socialistas, começou a desvanecer-se a socialdemocracia, trazendo à baila, com nudez, o perfil real do capitalismo, deixando a classe trabalhadora atônita e sem o devido poder de resistência, por ter sido escrava de suas próprias ilusões.

O neoliberalismo, que teve suas origens no início dos anos 80 na Inglaterra de Margareth Thatcher, passou a ser imposto como a nova política econômica do capitalismo mundial, mostrando que a burguesia não vacila ao agir para manutenção de seus interesses de classe.


O Neoliberalismo

Sepultando as esperanças e ilusões do keynesianismo, impôs-se então o neoliberalismo, expressão atual do capitalismo em sua fase imperialista e de capital monopolista; alcunhado de “globalização”, se tenta passar a fantasia de que quando o grande capital se globaliza toda a humanidade se enche de bens materiais e espirituais. Mas não consegue esconder sua verdadeira cara: ataca impiedosamente os direitos da classe trabalhadora, escravizando-a mais ainda.

Faz o capital orgânico avançar sem limites enquanto os gastos com salários caem sem parar. E os índices de desemprego crescem assustadoramente país a país tornando-se crônicos, num quadro em que o próprio conceito de exército de reserva de mão de obra vai perdendo sentido, com desocupados definitivamente sem possibilidades de ocupação. Com desocupados a vender coisinhas nas ruas para os que pouco ou nada têm à espera de seu desemprego. Com gente produzindo em sua moradia para empresários livres, parcial ou totalmente, de gastos com meios de produção, explorando gente a trabalhar dez ou mais horas diariamente, desesperadas para ter um mínimo de salário a fim de sobreviver com a sua família.

Tudo isso acontece ao mesmo tempo em que se deslancha um novo colonialismo sem disfarces: potências capitalistas conseguem impor a governos de países pobres, de pouco desenvolvimento e com forças produtivas débeis, políticas favoráveis a suas empresas, entregando-as fontes de riquezas e setores estratégicos como o petróleo, energia elétrica e diversos recursos naturais, bem como o domínio de seus territórios, destruindo desta forma a soberania nacional com o apoio de agentes internos em cada nação semicolonial ou descolonizada.

Eleito Joe Biden presidente dos Estados Unidos da América. Para muitos, inclusive em amplos setores da esquerda, uma novidade positiva tanto para a realidade interna dos EUA como também para o mundo. Um entusiasmo geral com os seus discursos antirracistas, de defesa dos direitos humanos, promessas de uma economia limpa, de defesa da natureza, criação de empregos mais qualificados, fim do desemprego, créditos para pequenos e médios investidores, de aumento de impostos para médios e grande ricos, mormente banqueiros, políticas de imigração mais humana e até mesmo de incentivo a sindicalização dos trabalhadores. Um entusiasmo daqueles que, no campo progressista ou na esquerda, não fazem uma análise concreta da realidade concreta, não vendo as contradições do capitalismo em um país como expressão maior da atual fase imperialista.

São muitos a não verem que, como líderes do capitalismo mundial, com uma economia de preponderância de grandes monopólios privados industriais e financeiros, são os Estados Unidos o exemplo modelar da concentração de capital e de riquezas nas mãos de uma minoria, de poucas famílias. E como Biden não está contra este fato, mas muito pelo contrário, está a seu serviço, por conseguinte o povo americano, sua classe trabalhadora, acaba de mais uma vez se encantar com fantasias de um dos partidos do capital. Coisas de um país onde a classe explorada ainda não alcançou sua autonomia de classe, limitando-se seu dirigentes, sindicais ou não, à condição de esquerda da burguesia, sem projeto e teorias próprias.

Há também um entusiasmo parecido em relação à política externa estadunidense, como se os Estados Unidos, com o seu novo presidente, deixassem de ser o que são: a maior potência imperialista do planeta, abrindo mão de sua diplomacia e de ações bélico-políticas contra os povos, para que, com sua lógica neocolonialista, continuem se apoderando das riquezas naturais e de mercados alheios. Como se, por exemplo, decidissem não mais impor seus bloqueios econômicos criminosos a Cuba e Venezuela; como se resolvessem renunciar a sua política de tentativas constantes de interferência político- militar no Oriente Médio, de olho na sua principal riqueza, o petróleo; como se parassem de liderar a OTAN, para que, com seus aliados europeus através da Ucrânia, possam impor sua influência geopolítica na Europa Oriental em disputa agressiva com a Rússia, provocando um potencial significativo de ameaça à própria paz mundial; como se dispusessem a desativar suas mais de 700 bases militares espalhadas por quase todo o globo, e eliminar a um orçamento militar de mais da metade de tudo que se gasta com armas e Forças Armadas mundialmente, com o escancarado propósito de manter sua política de império.

Enfim, mais uma vez, boa parte da esquerda falando em mudança do mundo, mas sem se opor ao capitalismo e ao imperialismo de forma efetiva, sem teoria de transformação, afastando-se do marxismo, só faltando dizer que o imperialismo americano poderá desaparecer graças a supostas novas vontades e pelo convencimento da sua burguesia e seus agentes político-ideológicos, seus representantes orgânicos.


Neoliberalismo no mundo de pouco capital

O capitalismo sempre avançou mundo afora, de acordo com seu grau de desenvolvimento em cada momento da história, o que explica o sentido colonialista que tomou, na medida em que avançava, dominando as regiões e povos de toda a terra. Sempre um ser inquieto, de fome insaciável, doido por almas e sangue.

Nos dias de hoje apenas mantém a sua marcha, com as devidas adaptações, consoante o seu tamanho orgânico de agora. Sua fase rentista, com dezenas de trilhões de dólares a circularem pelo mundo, alimentando-se do corpo e mente da classe trabalhadora, tornando-se, sem qualquer freio, um imensurável monstro universal, a destruir vidas e mais vidas humanas, agindo abertamente contra a própria humanidade ao agir contra a natureza.

É desse capitalismo, de lógica escancaradamente neocolonialista, que países da África, da América Latina e de outras regiões pobres da Terra, de populações também pobres, recebem algum capital privado como investimento em sua economia. De um lado, a chegada de empresas de tecnologia sofisticada, que pouco usa da mão-de-obra local; do outro, o capital financeiro internacional, a assenhorear-se dos cofres públicos de suas vítimas empobrecidas, com a privatização da sua dívida pública, juntamente com a apropriação de seu patrimônio público, conquistado ou preservado pelos povos ao longo de governos de determinado caráter popular. O capital internacional invade países e a pobreza e miséria invadem os lares de seus explorados.


O Socialismo hoje

Com o auxílio da URSS e dos países do campo do socialismo real, os povos africanos e asiáticos concluíram suas lutas de libertação nacional e tentaram impulsionar também sua marcha ao socialismo, levando adiante projetos estratégicos, medidas econômicas e empreendimentos tecnológicos, que buscavam superar o atraso que lhes foi imposto pelo capitalismo.

Sem tal apoio, a partir de 1990, semelhantes lutas se enfraqueceram com o consequente avanço das forças conservadoras em luta na defesa das oligarquias locais associadas a capitalistas externos. Desta situação de retrocesso não escapariam os países considerados socialistas, governados por partidos comunistas ou similares, como as repúblicas populares de China, Vietnã, Cuba e Coreia do Norte. Todos, com menor ou maior intensidade, se viram impelidos a flexibilizar seu modelo de economia ao capital privado, que passou então a competir com o estatal. Não viram outra saída para buscar amenizar as crise econômicas e seus reflexos sociais.

A China, por seu lado, já vinha por esta estrada desde 1978 com suas teses de uma "economia de mercado socialista" e do "socialismo de características chinesas”, abrindo zonas econômicas especiais e oferecendo uma mão de obra abundante e barata para atrair empresas privadas estrangeiras, visando assim competir no mercado internacional com produtos de baixo preço, posteriormente elevando aos salários de seus trabalhadores e reduzido a dependência do país ao “exportacionismo”, ao mesmo tempo em que aumentou o seu mercado interno.

Também o Vietnã tomou o caminho dos chineses, ofertando uma mão de obra de baixo valor para atrair investimentos externos e investidores privados, chamando sua opção econômica de "economia de mercado com orientação socialista". E como na China, sua economia estatal se faz presente em torno de 40 % do PIB.

Ambos os países alcançaram, com tal desenvolvimento de suas forças produtivas, expressivas melhoras nas condições de vida de suas populações, e em 2010, a China superou o Japão e se tornou a segunda economia do mundo. Com uma mescla de capital privado e estatal e altos investimentos em novas tecnologias e infraestrutura, mostrou seu propósito de se firmar como um grande gigante da economia global, apontando que poderá ultrapassar os Estados Unidos ainda nesta década. Ainda assim, as duas nações mantêm-se conscientes de que não escaparão das contradições do capitalismo em geral, do qual passaram a ter certo grau de dependência.

Cuba, cuja economia até 1990 dependia em 85% de suas transações comerciais com o mundo socialista, recorreu menos a capitais privados que China e Vietnã, entretanto, não abriu mão desta alternativa, preponderantemente, numa linha de associação do Estado com investidores externos, com destaque na área de turismo, ao mesmo tempo em que abriu espaço para pequenas empresas privadas locais na área de serviços, em particular. E o seu governo garante que jamais sairá da rota do socialismo.

Quanto à Coreia do Norte, esta não se propôs seguir mesma linha dos países citados acima. A iniciativa privada em sua economia é mínima. Paga um alto custo pelo seu isolamento, mas resiste a maiores concessões ao capital internacional em nome de sua soberania.

O certo é que os caminhos e fenômenos adotados por estes países, destacadamente, China e Vietnã, têm provocado certas análises diversas destes modelos. Sustentando-se em assertivas feitas por Marx, há quem diga que sem se recorrer ao que existe de mais moderno no campo da ciência e da tecnologia, preponderantemente sob o controle dos países capitalistas centrais, nenhum país conseguirá marchar para o socialismo. Outros não veem assim, e dizem existir nessas experiências um retorno ao capitalismo, considerando suas características atuais.

Em relação à experiência chinesa, há leituras que dizem tratar-se de um capitalismo monopolista de Estado, com uma forte interferência estatal na economia promovendo pesados investimentos em ciência e tecnologia, visando não somente o desenvolvimento nacional, mas também dos monopólios privados que tem contratos com o governo de Pequim. Outras concepções dizem ainda que na China vigora uma versão própria da NEP - a Nova Política Econômica soviética, experimentada ainda no tempo de Lenin, onde se adotaram investimentos privados na URSS como condição necessária para a realização do socialismo no país.

A China não diz basear-se neste caminho. Ironicamente, nesses momentos de recuos das lutas revolucionárias pelo socialismo, os partidos comunistas se veem obrigados a preservar interesses capitalistas em países dirigidos por eles. Seu redirecionamento ou direcionamento rumo ao socialismo fica por conta do passar do tempo.

A marcha da história não é linear.


A Nova Guerra Fria

O mundo unipolar que os Estados Unidos da América tentaram solidificar após a queda da URSS encontrou oponentes a altura com a afirmação da Era Putin na Rússia e a ascensão colossal da economia chinesa nas ultimas décadas. O fortalecimento das duas nações provocou reviravoltas e pontes estratégicas em várias das zonas de influencia dos EUA no mundo, no que foi respondido ora sob a forma de conflitos abertos, como na guerra da Síria e nas tentativas de invasão mercenária na Venezuela, ora sob a promoção das guerras híbridas, como vimos se manifestar na bem sucedida tomada da Ucrânia por forças de extrema direita pró União Europeia, pilar de sustento da OTAN na região, e também nas tentativas fracassadas de derrubar Lukashenko na Bielorrússia, e de desestabilizar o governo chinês fomentando movimentos liberais separatistas pró ocidente em Taiwan e Hong-Kong.

A recente aliança oficial firmada entre China e Rússia marca a presença de uma força real frente à hegemonia estadunidense no atual cenário geopolítico. Enquanto os comunistas chineses caminham para se tornar a maior potencia comercial, industrial e tecnológica do século XXI, Moscou afirma-se como a grande potencia militar a altura do Pentágono.

Era certo que o imperialismo americano não ficaria indiferente a este fato. A crise do império é visível nas turbulências internas vividas no coração do capitalismo, do qual a eleição de Trump e a erupção das forças reacionárias foi uma expressão bastante concreta, o que explica o “America First" e seus ataques e palavrórios como "vírus chinês", entre outros. Joe Biden, ao seu modo, não deixa por menos, sem sutileza requisitou a seu serviço de inteligência um estudo rápido sobre a origem do vírus pandêmico, fazendo levantarem acusações e suspeitas sobre a China. Preocupado, o democrata diz estar disposto a um avanço tecnológico de seu país para poder competir com a economia chinesa e suas tecnologias de ponta.

Mas o homem de frente da Casa Branca, cumprindo verdadeiramente seu papel de agente maior do imperialismo como era de se esperar, vai além disso: mantém o apoio americano a Taipé, aos oposicionistas de Hong Kong, numa costumeira política de intervenção nas questões internas de países alheios. Mantém o poderio bélico americano na Ásia, provocam tensões cada vez maiores contra o regime iraniano dos aiatolás e avança com as fronteiras da OTAN em direção a zona de influencia dos russos, provocando uma permanente ameaça à paz regional, e que pode levar o mundo a consequências imprevistas.

Com sua democracia pragmática, a China cada vez mais faz aumentar sua influência sobre todos os continentes para obter mais mercados mundo afora, avançando com investimentos demandados por países diversos. A disputa comercial e diplomática dos EUA contra Pequim aproxima os chineses de Moscou e Teerã, e frente a isso, com ou sem Biden, esta posto para um eventual cenário que o imperialismo desenvolva uma espécie de nova Guerra Fria.


América Latina e o Neoliberalismo

Foram gigantescos os danos causados aos países da América Latina pelos governos neoliberais. Cresceu o endividamento de cada país, perdas de riquezas estratégicas através de privatizações, mais empobrecimento das massas trabalhadoras, perdas de soberanias nacionais.

Mas, surpreendendo o mundo, também avançaram muito as lutas contra tal situação, com destaque para a Venezuela que, sob a liderança de Hugo Chávez e seus companheiros de luta, tornou-se o novo centro de resistência ao imperialismo no continente. Movimento com a peculiaridade de retomar o debate sobre a necessidade do socialismo para todos os povos, até então deixado de lado pela maioria da esquerda de todo o mundo.

Nas últimas décadas foram muitas as vitórias do campo da esquerda e centro-esquerda na América Latina; posteriormente, vieram as derrotas, logradas por conta de que pouco ou nada fez por mudanças estruturais nos países que governaram, limitando-se a aplicar políticas sociais com as sobras do que não ficou para o capital financeiro e outros donos do capital. Como consequência destes erros, alternaram-se os governos com as forças de direita.

Efetivamente, a América latina foi duramente atacada nos últimos anos de variadas formas por Washington. A reafirmação da Doutrina Monroe se manifestou em golpes por todo o continente, a exemplo dos que se viram aconteceram no Haiti em 2009, no Brasil em 2016 e na 2019 em Bolívia. Na pátria Bolivariana, a violência cometida contra seu povo e o governo de Nicolás Maduro só pode ser comparada ao terrorismo praticado contra Cuba desde o triunfo de sua revolução. Pratica-se contra a Venezuela um criminoso bloqueio econômico, e diversas tentativas de invadir o país através de mercenários e governos capachos dos EUA, como o são Bolsonaro e Ivan Duque, foram exaustivamente tentadas até pouco tempo atrás; aos cubanos, não sendo o bastante terem de enfrentar um dos mais desumanos embargos comerciais de todo o planeta há quase sessenta anos, e que vale lembrar, é rechaçado pela quase totalidade das nações do mundo, têm agora de lidar com uma série de revoltas instrumentalizadas pelos yankees, que visam não outra coisa se não destruir este exemplo vivo de luta pelo socialismo e soberania nacional.

A despeito de todos estes fatores, os latino-americanos se levantam e cada vez mais mostram sua rejeição à servidão a Washington. O neoliberalismo é cada vez mais contestado pelo avanço das forças populares nas gigantescas manifestações populares em Paraguai e Colômbia, como se pode ver na composição da recém eleita Assembleia constituinte no Chile, nascida para enterrar definitivamente a era de Pinochet, e na heroica vitória de Pedro Castilho no Peru sobre os fujimoristas. Sob o sopro destes ventos, o Brasil começa também a mostrar suas caras.


A esquerda e suas contradições na conjuntura atual

O pós-socialismo soviético e de seus aliados do Leste Europeu não deixaria de se refletir subjetivamente na consciência da classe trabalhadora e de militantes teóricos ou práticos da esquerda, mundialmente. A começar por um pessimismo constante e mesmo contagiante, a ocupar a mente de muitos lutadores e lutadoras. Um pessimismo que não deixaria de afetar, como esperado, o próprio mundo dos conceitos e da teorização da realidade, em vários setores de esquerda. Uma inquietação em praticamente todos os cantos do mundo.

Teorias para todos os gostos. Principalmente no meio acadêmico, novas palavras para não dizerem nada, de quem abre mão de caminhar para lugar conhecido. Uma festa de novidades: no lugar de burguesia, "elite"; de socialismo," utopia”; de objetivo histórico definido, " outro mundo é possível"; no lugar de projeto anticapitalista, brado contra desigualdade, mas sem luta por um novo modo de produção; as minorias como sujeito fundamental da transformação da sociedade vigente em lugar da classe trabalhadora. E quando se fala em socialismo não se vai além do abstrato, de algo que não se confronta com um modo de produção a ser combatido em função de outro exatamente oposto, de um ente sem corpo e forma definidos, socialismo sem socialismo, de um tal de capitalismo humanizado, fazendo o burguês, com um novo coração, ficar socialista.

Não obstante, toda esta festa de velhas ideias disfarçadas de novas não deixam de se manifestar em forma de objetivação no movimento político real. É o reformismo, que não acreditando no fim do capitalismo, imagina-o como definitivo, sem suas próprias leis, contradições e natureza, concebendo portanto, um sistema que é magicamente, ao mesmo tempo, capitalista e socialista.

Defesa de um casamento amoroso entre capital e trabalho numa relação de fidelidade entre ambos, de reciprocidade. O fim da História na cabeça do reformista. A burguesia tem sua esquerda. Que os socialistas, os marxistas, os revolucionários, reacendam o debate pelo fim do capitalismo, última das escravidões.


A Luta Palestina

Criado o Estado de Israel em 1947, logo ficou o evidente o seu papel em relação aos interesses do imperialismo no Oriente Médio. Nasceu ao expulsar, com apoio de grande potências, o povo palestino de seu território, tentando tirar seu direito à própria existência como nação.

No momento, este povo continua vítima da política colonialista de Israel, vítima do genocídio sionista, versão fascista israelense com o apoio de Biden, que fala da matança de centenas de adultos e crianças como um “direito de Israel defender-se", tentando legitimar crimes de guerra e de lesa-humanidade.

A resistência dos palestinos continua, contra um inimigo armado até os dentes para que no mínimo sejam respeitadas as resoluções da ONU, favoráveis ao seu direito de existir como Estado independente. Contam para isso com significativo apoio dos povos em luta contra o imperialismo e seu braço armado e colonialista no Oriente. Um importante apoio, mas ainda insuficiente, haja em vista as poucas manifestações e protestos vindo por parte da esquerda em relação aos recentes ataques sofridos pelos palestinos em Gaza.

É dever de todo humanista, todo amante da liberdade, todo socialista, todo comunista, dar apoio irrestrito à luta de um povo vítima do sionismo, fascismo israelense, e do imperialismo que o apoia e o arma para matanças.


A pandemia e suas consequências

Outro elemento fundamental da conjuntura atual é a trágica pandemia que assola nosso planeta, traga vidas de pobres, pretos e periféricos, desnuda o capitalismo e mostra sua sanguinária sanha contra os países pobres e os empobrecidos.

Suas trágicas consequências trouxeram a morte de mais de um milhão de pessoas até agora. Em relação à economia, o mundo entrou em parafuso. Em regra, todos os PIB`s caem continentes afora, e vemos economias praticamente quebradas na maioria dos países.

Para muitos, tal quadro exige como nunca a intervenção do Estado para a saída de tamanha crise. Com gente chegando a pensar ser este o momento do retorno da democracia, não só na Europa, com também em outras partes do mundo. Com gente vendo um inevitável pacto social, acerto entre burguesia e classe trabalhadora, para superar estas dificuldades.

Na verdade, mais uma ilusão a afetar almas bem intencionadas. Em nenhum país capitalista, desenvolvido ou não, os donos do capital e a burguesia como um todo irão desistir de colocar sobre as costas da classe trabalhadora os custos de qualquer uma das crises econômicas, sejam elas estruturais ou não. Tendo o poder usam-no para evitar que também tenham de ceder em prol da recuperação da economia, a menos que estejam diante de uma situação de grande luta popular organizada, onde o povo consiga impedir que sobre si recaiam todos os danos causados pela crise.

De fato, o pós-pandemia será um momento de possível aprofundamento da luta de classes, a burguesia não irá se voltar contra seus próprios interesses, contra sua própria natureza, tornando-se solidária com aqueles a quem explora e compartilhando de seus sacrifícios, apenas se tornará mais conhecida diante das multidões que, antes iludidas por ela, deixarão de lado suas fantasias.

Com ou sem pandemia, o capitalismo não deixa de ser o que é e com suas inerentes contradições. Que se vejam os massacres contra povos em luta, como os da Colômbia, Chile e de outras regiões do planeta - num momento de expansão da Covid-19 - quando paradoxalmente não faltam românticos, inclusive de esquerda, a pregarem solidariedade e o amor entre as classes.

Os fuzis da burguesia não choram, vomitam balas.



CONJUNTURA NACIONAL

Os problemas nacionais atingiram nos últimos anos níveis completamente desastrosos em todos os campos da vida cotidiana, e que hoje mergulham o Brasil em um mar de lamentações cada vez mais fundo. Convivemos com a inflação de alimentos básicos como o feijão, a carne e o óleo de soja, e mesmo de itens e serviços básicos como a gasolina, o transporte e o gás, isto tudo na medida em que cresce de maneira trágica o desemprego e a depreciação do poder de compra dos salários, que desde a promulgação da Emenda Constitucional 55/2017, é corrigido anualmente abaixo dos índices de inflação.

Com a retração do mercado interno, a explosão da alta do dólar e uma queima generalizada de reservas cambiais, segue-se o desmonte de nosso setor produtivo e industrial, a entrega de nossos setores estratégicos com a privataria deliberada de empresas estatais e de grande parte de nossa infraestrutura energética diretamente para as mãos de companhias e acionistas estrangeiros, o abandono do Banco Central e de nossa política fiscal e monetária às graças da especulação financeira, além do aumento galopante da dívida pública, que já chega a representar 80% do PIB.

A Educação se ve ameaçada por todos os lados, e é nas universidades públicas que os ataques são mais escancarados, não bastando a cruzada levada contra o conhecimento, a razão, a ciência e os currículos escolares e de graduação, convivemos também com o corte verbas destinadas a manutenção da própria estrutura física dos câmpus, eliminam-se as bolsas e incentivos voltados à pesquisa, perseguem-se professores e organizações estudantis, além de ferirem a autonomia da comunidade acadêmica intervindo em sua direção.

A terra e o subsolo brasileiros vêm sendo violados diariamente por conta do afrouxamento das normas de proteção e fiscalização protetoras do meio ambiente, na medida em que crescem o extrativismo, a concentração fundiária e a extinção de áreas intermináveis de biomas naturais, também aumentam a miséria e a violência no campo contra as populações rurais, bem como às populações originárias que estão à mercê de uma retomada das ações predatórias contra seus territórios.

Dificilmente passa batido aos olhos do cidadão urbano o crescimento do exército de sem-tetos que ocupam as ruas graças à especulação imobiliária. A prática do terrorismo de Estado, que nunca deixou de ser praticado contra os moradores das favelas brasileiras, mostra-se cada vez mais em sua verdadeira natureza de classe com a perpetuação da guerra às drogas, que apresentada cada vez mais como uma guerra contra população pobre e em especial contra a população negra, não sendo estranho que a isso se siga o crescimento da influência das milícias policiais e do neopetencostalismo nas periferias, com sua expressiva representação parlamentar e governamental, mostrando a nefasta harmonia entre a bancada da Bíblia e da bala dividindo com o narcotráfico suas zonas de influencias.

Na medida em que a vida dos trabalhadores e trabalhadoras se torna mais dolorosa, a elite brasileira torna mais desprovida de modos e fica escancarada a sua verdadeira face odiosa, crescem o preconceito de classe, raça e gênero, com atitudes dignas de uma verdadeira sociedade escravocrata sendo praticada a luz do dia, com a eugenia sendo vociferada publicamente por desavergonhados simpatizantes do fascismo, além da misoginia aberta vista e praticada até mesmo dentro das câmaras legislativas país a fora.

O tratamento dado ao combate à pandemia por parte de Jair Bolsonaro e sua corte de sociopatas escancara o higienismo ideológico que sustenta o neoliberalismo na periferia do capital. O atual número de mortes no Brasil por conta da covid-19 não pode ser citado sem que haja nominalmente a responsabilidade de uma política deliberada pelo bolsonarismo, que com seu medievalismo fez da saúde e vida dos cidadãos brasileiros palanque de uma peleja diplomática alinhada ao imperialismo.

O governo Bolsonaro é atualmente a exata expressão política dos interesses das classes dominantes, não à toa, a despeito dos péssimos resultados econômicos ostentados pelo país, a especulação financeira e o latifúndio, os verdadeiros senhores do Brasil apresentam taxas de lucro altíssimas. Mas as contradições do atual estágio do capitalismo transbordam e inundam a todo o país, e o conjunto da alta burguesia encontra dificuldades de legitimar um projeto político e econômico que tem como regra a destruição de todo bem-estar social, a intensa pauperização do povo e o abandono de todo o princípio de soberania que sustenta a unidade nacional. A lentidão com que a vacinação caminha coloca um impasse à tomada das ruas pelas massas, entretanto, na medida em que cada vez se torna mais insuportável e insustentável a vida neste país, o rebentar da mobilização popular parece estar não só cada dia mais necessário, como também mais próximo. Em todas as vezes que a classe trabalhadora se viu na necessidade de superar uma situação, foi através da luta popular que tais condições puderam ser superadas, em todas as vezes que se buscou a revolução social e política, este é o exemplo da tradição histórica da luta dos povos contra seus exploradores. Hoje, não é diferente o desafio posto à classe trabalhadora brasileira, devemos ter em mente que as necessidades são muitas, e que a mobilização por tais demandas tem um enorme potencial de fazer com que as ruas sejam tomadas pelas massas.

Caracterizamos o bolsonarismo como um movimento social organizado que deve ser vencido a todo custo pelas forças populares, para que possamos construir uma sociedade aonde a dignidade humana seja colocada na ordem do dia. Para sairmos deste caos generalizado em que fomos jogados, reivindicamos em nosso programa:

- a agilização da produção e distribuição de vacinas, bem como a quebra de todas as patentes para que tenhamos a completa imunização da população o mais breve possível;

- o aumento do valor do Auxílio Emergencial e sua prorrogação até o momento em que a situação de calamidade pública esteja superada;

- a revogação imediata da Emenda Constitucional 55/2017, que impôs ao orçamento federal um teto de limite aos gastos públicos por vinte e um anos, além de submeter o reajuste do salário mínimo ao limite máximo da taxa de inflação;

- a reestruturação dos espaços e instituições que visam os incentivos à arte e à cultura;

- a assegurar a integridade física e cultural dos povos indígenas, bem como a não violação de seu território;

- reinstaurar a fiscalização efetiva no cumprimento das leis ambientais;

- a revogação de todos os contratos de privatizações de empresas estatais sancionados após o golpe de 2016, em especial as refinarias e plataformas da Petrobrás e a BR Distribuidora, bem como a nacionalização de todo os setores estratégicos que há muito foram partilhados entre acionistas nacionais e estrangeiros;

- revogação da lei que tornou o Banco Central autônomo em relação ao poder Executivo;

- uma reforma urbana que acabe com o déficit habitacional e ponha fim a parasitaria especulação imobiliária;

- o aumento dos investimentos nas universidades públicas, criação de novos campus, abertura de salas e cursos para a formação de professores, médicos, técnicos, pesquisadores, bem como profissionais especializados para todas as áreas fundamentais para o progresso nacional;

- reforma agrária popular e agroecologia já - expropriação das propriedades agrárias improdutivas e a criação de um Banco da Terra e de programas de distribuição de lotes e incentivo econômico para os trabalhadores rurais;

- revogação da reforma trabalhista e revisão adequada da reforma da previdência, aprovadas respectivamente em 2018 e 2020;

- reforma fiscal, com a taxação de grandes fortunas e patrimônios, bem como a aplicação de imposto de renda progressivo;

- retomada dos investimentos em infraestrutura, pesquisa cientifica e tecnológica;

- promoção de um programa de reindustrialização e capitalização de recursos a partir de um planejamento central, para que sejam asseguradas as demandas internas do país por bens de capital e de consumo asseguradas.

- e por fim, lutarmos para enterrar definitivamente o atraso e a barbárie que o imperialismo impôs ao Brasil, avançando sempre em rumo ao socialismo pelo poder popular.


BALANÇO DO PARTIDO

É notório que o PSOL nasceu da necessidade de apresentar um novo projeto de partido socialista como via de luta para a classe trabalhadora. É inegável seu papel desde então. Contamos com quadros importantíssimos em diversas frentes de luta. Mas talvez estejamos falhando em algo, cuja necessidade de maior atenção se faz necessária.

Em muitas ocasiões, somos tachados de “esquerda caviar”. Ora, o que seria uma esquerda caviar? Uma esquerda ausente nos embates mais populares? Ausente na inserção nas periferias? Estranho para grande parcela da classe trabalhadora?

Inegável também a importância da luta dos nossos parlamentares, fazendo frente aos projetos mais nefastos da burguesia. Porém, não podemos nos escorar nisso para todo o sempre. Sabemos muito bem que a via parlamentar tem limites importantes e acaba muitas vezes por iludir muitos trabalhadores.

A presença do partido nas áreas mais pobres, nos movimentos populares para além dos sindicatos, é de suma importância para quem busca militar junto a uma população cada vez mais empobrecida, não sindicalizada porque sequer tem emprego formal, e muitas vezes cada vez mais distante da política formal por buscar a sobrevivência de sol a sol.

Se quisermos viver longe do estigma de “esquerda caviar”, devemos jogar forças para levar a nossa política para a população que tragicamente mais cresce no atual cenário de necropolítica que vivemos no Brasil hoje.

A aproximação com os movimentos antifascistas também pode render bons frutos. Sabemos que muitos nascem do espontaneísmo, e sabemos também dos riscos de espontaneísmo sem uma direção subsequente. Lembremos no que desembocou o movimento “Passe Livre”. Começou provocando simpatia, mesmo porque a reivindicação é mais do que justa, e num dado momento perdeu o rumo durante as jornadas de 2013, quando vivemos momentos abomináveis, como ataques a militantes de partidos da esquerda e coros de “abaixa a bandeira”. Desse caldo, tivemos a amarga vivência de grupos ou indivíduos identificados com o fascismo sentirem-se à vontade para expressar suas práticas, falas e ideias.

Portanto, para que fique bastante inteligível, temos acordo com esta parte da resolução do 6º Congresso do PSOL: “Como tarefa prioritária para o partido e sua militância em todo o país, a resolução coloca a necessidade de ampliação da luta contra o governo, em conjunto com as diversas organizações sociais. Diferente do primeiro semestre, os movimentos sociais e os partidos de esquerda não têm conseguido fazer frente à ofensiva contra os direitos e a democracia. Para tanto, é central que as frentes de mobilização social ampliem sua unidade. A organização da luta local, conectada nesse movimento mais amplo, é o outro lado desse processo, com a participação do partido e dos militantes nos diversos movimentos que têm surgido nos bairros e nas cidades do interior”.

Não basta críticas os demais partidos que se movimentam pela agenda eleitoral a cada dois anos, jogando todas as cartas no parlamento burguês. É necessário que o partido discuta programaticamente as bases reais das necessárias transformações que nossa classe precisa e exige.

Mas de fato, o quanto avançamos neste sentido? Conseguimos mesmo inserção nos bairros e movimentos, ou estamos priorizando a via parlamentar? Algo para refletirmos em conjunto e sem censura. Não podemos nem devemos sair por aí vendendo a ideia de que as eleições mudam a vida. Isso é iludir a classe trabalhadora. É preciso ser sincero, esclarecendo os limites da representação parlamentar. E esse esclarecimento só é possível a partir do momento em que o partido se aproximar efetivamente do povo.

Existem uma série de experiências bem sucedidas neste sentido. Para citar um exemplo prático, a criação de cursinhos preparatórios para ENEM e Vestibulares, cumpre pelo menos duas funções primordiais. Além da orientação, incentivo, e aprimoramento dos estudos escolares, a politização-não entender como partidarização-abre uma porta para os debates sociais, as realidades da vida trabalhadora, e o que a política tem a ver com tudo isso.


MULHERES

“A mulher tem o direito de subir no cadafalso; deve ter, igualmente, o de subir na tribuna […]”- Olympe de Gouges (1748–1793)

A frase acima não é de uma marxista. Pertence a uma voz anterior a Marx. Pertence a uma mulher do povo. A voz de uma francesa, filha de um açougueiro, que ainda no século XVIII, em plena Revolução– que não teria ocorrido sem a participação mais do que ativa das mulheres- ousou escrever panfletos, peças de teatro, e a “Declaração dos direitos da mulher e da cidadã”. Conheceu o fim da vida na guilhotina, mas não sem antes abrir a boca para eternizar a síntese de sua luta numa frase que não foi respondida. Pelo menos não naquele momento.

A luta das mulheres por igualdade, equidade, direitos, e as incontáveis subversões ao logo da História são na maioria das vezes desconhecidas. Ainda hoje, contamos em número ridículo de mulheres destacadas em cargos importantes, na ciência, nas lideranças. Elas existem. Estão por todos os lados. Mas o nome dos homens continua se sobressaindo.

E não é por falta de luta. Mas precisamos de mais organização e política bem definida. Cota não basta. Cota não resolve homem dirigente mais velho achando que pode “tirar onda” com militante mais nova. Cota não resolve o machismo. O debate acerca das opressões deve ser permanente. O estudo, os eventos, as campanhas e a organização não podem se restringir ao mês de março. Dia de lutar contra machismo, racismo e homofobia é todo dia.

A cada duas horas, o Brasil notifica uma denúncia de estupro de meninas menores de 14 anos (fonte:UOL). Em números gerais, o Brasil tem um estupro a cada 8 horas (fonte:UOL). A conta nunca fecha. A cada duas horas e meia, um estupro coletivo (fonte:UOL). 70% das vítimas são crianças e adolescentes (fonte: BBC) e ao longo da pandemia, o número de feminicídios aumentou em 55% em abril de 2021 (fonte: G1).

O Brasil ocupa o 7º lugar em número de feminicídios no mundo (fonte: CNMP) e o 11º em abuso e exploração sexual (fonte: Revista Crescer). Não estamos seguras. Vivemos com medo. Que mulher nunca foi constrangida no transporte público lotado? Que mulher nunca deu um “Graças a Deus!” ao olhar para trás numa rua escura e ver que o barulho dos passos vinha de outra mulher logo atrás?

Quem nunca desejou penas duríssimas – e às vezes até bárbaras-para estupradores, feminicidas e alguma punição para machistas em geral? Isso resolveria nosso problema? As penas realmente são revoltantes por deixarem estes agressores e assassinos tão pouco tempo privados de liberdade. Mas estamos aplicando o remédio, não a vacina.

Da nossa parte, devemos investir na formação e trabalho constante de coletivos de mulheres, estudos a respeito do machismo e do feminismo envolvendo todos os militantes e organizar campanhas compreensíveis e que ganhem a empatia popular durante o ano todo.

E jamais esquecer que, a libertação da mulher, só estará realmente concluída com a libertação da classe trabalhadora.

“Assim, e somente assim, abre-se o caminho para a emancipação completa e efetiva da mulher, para a libertação da ´escravidão caseira´ pela passagem da pequena economia doméstica individual à grande e socializada.

A transição é difícil, pois trata-se de transformar as ´normas´ mais arraigadas, rotineiras, esclerosadas e fossilizadas (na verdade vergonhosa selvageria e não ´normas´). – V. I. Lenin – “Sobre a emancipação da Mulher"





Assine você também essa contribuição em construção.


Aldo Santos - São Bernardo do Campo/SP

Alessandra Fahl Cordeiro Gurgel - Caieiras/SP

Albert Pinheiro Wildmann - São Bernardo do Campo/SP

Abigail Toniol - Região de Jales.

Diego de Cana - São Bernardo do Campo/SP

Sônia Maria de Almeida - São Bernardo do Campo/SP

Lucia Aparecida Denardi -São Bernardo do Campo/SP

Vera lúcia de Lima- São Bernardo do Campo/SP

Anísio Batista - São Paulo/SP

Francisco Paulo Gretter - São Paulo/SP

Alan Aparecido Gonçalves - São Bernado do Campo/SP

Alberto Ticianelli - Ribeirão Pires/SP

Aldo Josias Dos Santos Junior - São Bernardo do Campo/SP

Aline Catarine Gondim -Santo André/SP

Álvaro Expedito Jeronymo - São Paulo/SP

Ana Paula de Oliveira Fernandes - São Bernardo do Campo/SP

André Luiz Bianchini - São Bernardo do Campo/SP

André Monteiro Gondim - Mauá/SP

Ângela Maria Palermo dos Santos - São Bernardo do Campo/SP

Aparecido Alexandre da Silva - Valentim Gentil/SP

Ariane Dantas Privitera - Santo André/SP

Aroldo Batista Nogueira - São Bernado do Campo/SP

Bete Gorete - Diadema/SP

Carlos Rocha - Hortolândia/SP

Cátia Lopes Ribeiro - São Bernado do Campo/SP

Cláudio Nunes - Hortolândia/SP

Daniel Giaretta Tavares - São Bernado do Campo/SP

Dianilton Gomes (DG) - São Bernardo do Campo/SP

Dilvanir José Gonçalves - São Bernardo do Campo/SP

Dolores Brito - Caculé/BA

Elaine Camilo - São Bernardo do Campo/SP

Fernando José Tolentino Pereira - São Bernardo do Campo/SP

Flávio José - Caculé/BA

Francisco Raimundo dos Santos - Hortolândia/SP

Hélio da Conceição dos Santos (MTST) - São Bernardo do Campo/SP

Helio Sales Rios - São João da Boa Vista/SP

Ian Lucas Catelan Simões Mora- São Bernardo do Campo/SP

Ilídio Rodrigues de Sousa - São Paulo/SP

Irani Lopes de Almeida - São Bernardo do Campo/SP

Iris Marques - Caculé/BA

Iris Miagusto Pereira - São Bernardo do Campo/SP

Ivanei Rodrigues do Nascimento - São Bernardo do Campo/SP

Jardel Josias Palermo dos Santos - São Bernardo do Campo/SP

Joaquim Neto dos Santos - Porto Seguro/BA

José Geraldo - Santo André/SP

José Vicente Santiago - São Bernardo do Campo/SP

Jose Vitor Josias Palermo dos Santos - Rio de Janeiro/RJ

Julia Santos Rocha - Hortolândia/SP

Katiucya Cardoso- -São Bernardo do Campo/SP

Laismeris Cardoso de Andrade - Santo André/SP

Luciana Campos Sales - São Bernardo do Campo/SP

Luis Henrique Oliveira Sousa- São Paulo/SP

Marcelo Reina Siliano - Santo André/SP

Marcos de Souza (M.S) - São Paulo/SP

Marcos Eduardo dos Santos Silva -São Bernardo do Campo/SP

Maria Aparecida de Lima Crisov - São Bernardo do Campo/SP

Maria Campam - Santo André/SP

Maria do Carmo Rocha - Hortolândia/SP

Maria Irene Palermo dos Santos - São Bernardo do Campo/SP

Prof.Mario Kletemberg - Hortolândia/SP

Mauricio D. Melo - Guarulhos/SP

Nilzete Nascimento dos Santos - São Bernado do Campo/SP

Nivaldo Rodrigues Pereira - São Bernardo do Campo/SP

Odilon Nogueira de Souza Neto - Senhor do Bonfim/BA

Preto Nere - Caculé/BA

Professor Fagundes - São Bernardo do Campo/SP

Ricardo Andrade - São Bernardo do Campo/SP

Ricardo Ramiro Pinto - São Bernardo do Campo/SP

Roseli da Silva Fernandes - Tietê/SP

Ruilan dos Santos - Hortolândia/SP

Sando Rinaldi Feliciano - São Bernardo do Campo/SP

Selma Monteiro Gondim - Santo André/SP

Sergio Linhares - São Bernardo do Campo/SP

Silvana Soltini - Hortolândia/SP

Solon Gama júnior - Caculé/BA

Tânia Mara Marangoni Miller - Campinas/SP

Tatiana Almeida Rocha - São Bernardo do Campo/SP

Thais da Silva Custódio - Foz do Iguaçu/PR

Thiago Santiago Pereira - São Bernardo do Campo/SP

Vera Helena Sanchis Alberich - São Paulo/SP

Participe você também dando sugestões, emendas e assinaturas!

53 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo