EM SÃO BERNARDO, 82,2% DOS PAIS DE ALUNOS SÃO CONTRÁRIOS A VOLTA DAS AULAS PRESENCIAIS.


VOLTA ÀS AULAS AUMENTARÁ O CONTÁGIO E AS MORTES. NÃO À RESOLUÇÃO 61!!!

Eu luto hoje contra o luto amanhã!

Diante da Resolução SEDUC 61 do governo Doria/Rossieli, que determina o retorno às aulas presenciais no Estado, a Subsede da APEOESP de São Bernardo do Campo tem atuado em várias frentes para orientar a população e pressionar os governos estadual e municipal a desistirem dessa atitude irresponsável. Já que tal decisão vai na contramão das diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e não leva em conta os trágicos números da pandemia COVID 19: são mais de 144 mil mortes em todo o Brasil, mais de 35 mil vidas vitimadas no Estado de São Paulo e 915 óbitos, em São Bernardo.

Entre as ações, o Sindicato dos Professores publicou um abaixo-assinado, que recebeu mais de 28 mil adesões, e será encaminhado para a Secretaria Estadual de Educação; ao Prefeito Orlando Morando de SBC; à Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de SP (ALESP); à Diretoria Central da APEOESP e ao Ministério Público. O documento alerta para a falta de preparo das escolas em receber os alunos e os riscos que isso pode trazer para a saúde dos estudantes e suas famílias, bem como dos professores/as.

“Vivemos a maior tragédia sanitária e social do país e do mundo dos últimos 100 anos. A pandemia da COVID 19 agravou os problemas econômicos e sociais do país, empurrando a classe trabalhadora do país, principalmente as mulheres, idosos, o povo negro e periférico, para o desemprego, a miséria e a morte.

As famílias, estudantes e profissionais da educação não têm tranquilidade para o retorno das atividades presenciais porque sabem dos riscos que o atual estágio da pandemia ainda traz, como ficou evidente na pesquisa DataFolha publicada no último 17/08, que apontou que 79% da população brasileira entende que a situação da COVID 19 irá “se agravar” com o retorno às aulas. Nos manifestamos contra essa política de morte (necropolítica) que vem sendo imposta pelo governo e o secretário de Educação do Estado e São Paulo”.

No abaixo-assinado, os professores solicitam também que o Prefeito Orlando Morando, de São Bernardo do Campo, “a exemplo de inúmeras prefeituras publique decreto assumindo posição de impossibilidade de retorno às aulas presenciais antes da vacina e da segurança sanitária”.

A Subsede APEOESP-SBC enviou ofício ao prefeito Orlando Morando, cobrando uma postura responsável em favor da comunidade escolar, colocando-se à disposição para uma reunião, inclusive com as demais entidades da educação sobre a questão. Mas ainda não obteve retorno.

Embora o prefeito tenha garantido em live, no dia 30/9, que as aulas presenciais não voltarão “enquanto não tivermos segurança”, está em curso um “inquérito epidemiológico” com a realização de testes em crianças e profissionais da educação da rede municipal de ensino, “para entender melhor o contágio entre alunos e servidores”. A pesquisa termina em 16/10, quando Morando decidirá se há condições para reabrir as escolas na cidade.

Pesquisa realizada pela própria prefeitura indica que 82,2% dos pais de alunos são contrários a volta das aulas presenciais e, mesmo que as escolas fossem reabertas, 85% deles não mandariam seus filhos. Embora o prefeito tenha garantido na live que não trocaria vidas por votos, o fato de insistir numa possível reabertura das escolas, após o dia 16/10 é, no mínimo, contraditório.

A APEOESP-SBC enviou ofício também aos candidatos e candidatas à prefeitura do município de todos os partidos políticos, solicitando apoio na luta contra o retorno às aulas presenciais até que se tenha uma vacina eficaz.

O Sindicato tem realizado reuniões de representantes e passado com carro de som em todos os bairros da cidade para esclarecer a população dos riscos da volta às aulas, em plena pandemia. Além disso, está sendo programada uma assembleia popular contra este retorno genocida.

Coordenação da subsede da apeoesp/sbc

63 visualizações

@ 2020 ABC DA LUTA 

OS TEXTOS PUBLICADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DOS AUTORES