top of page

Tecendo a caminhada filosófica !


Aldo dos Santos***


Primeiro, é uma satisfação muito grande conversar com as pessoas que estão nesta sala virtual.

O Professor Chico Gretter já nos conhecemos há muitos anos, na luta pelo retorno e implantação da Filosofia na educação básica brasileira.

A Professora Neuza é a atual presidenta da APROFFIB e a Professora Patrícia já nos encontramos num diálogo virtual.

O professor Marcos e os outros companheiros, é uma satisfação conhecê-los neste evento.

Para início de conversa, nesta exposição vou me apresentar aos que ainda não me conhecem: sou migrante lá do Ceará desde a década de 50 do século XX. Ou seja, faço parte da denominada segunda diáspora nordestina, a dispersão dos nordestinos pelo mundo. Então, tem nordestino em todas as partes do planeta, notadamente, empurrados pela seca, pela fome, pela miséria...

Sou formado em Filosofia, Estudos Sociais, sou bacharel em Teologia pela Arquidiocese de São Paulo, com especialização em Filosofia da Educação, Sociologia do mundo do trabalho, mestre em História e Cultura. Sou formado em Psicanálise e doutorando também Psicanálise. Tenho outros diplomas que, para mim, têm um valor imensurável - a diplomação, por quatro vezes, como Vereador aqui na cidade de São Bernardo do Campo, uma grande fonte e laboratório de conhecimento, um grande momento dessa reflexão e dessa relação teórico/práxis cotidiana na política, numa cidade importante como São Bernardo do Campo, marcada no cenário mundial a partir dos profundos tencionamentos, ao longo das últimas décadas.

Eu sempre lecionei pelo ensino de Filosofia na rede estadual, a partir do momento que eu faço Filosofia na Faculdade Associada do Ipiranga, ligada à Igreja Católica.

Quase, que simultaneamente, cursei Teologia com currículo específico na Teologia da Libertação, que foi o primeiro currículo da faculdade de Nossa Senhora da Assunção, aqui em São Paulo, na década de 1980, 81, 82 e 83. Então, me marcou muito o conteúdo da Teologia da Libertação, na ocasião trabalhava e militava no Hospital do Mandaqui, zona norte da Capital, como atendente e depois como auxiliar de enfermagem. Claro que os tencionamentos em plena Ditadura Militar me renderam a transferência sumária do hospital Mandaqui para um centro de saúde no Sacomã. Enfim, em 1985, eu começo lecionando em Diadema, embora já lecionasse, esporadicamente, Filosofia, porque eu pedia na atribuição de aula que me fossem atribuídas.

Neste período, comecei a participar do Sindicato dos Professores - APEOESP, e no início de 1985 iniciamos grupos de Estudos em Diadema, aqui em São Paulo, onde em 1982 elegemos a prefeitura do PT.

Era um grande laboratório da esquerda brasileira a cidade de Diadema, com grandes companheiros como Tonhão que faleceu recentemente.

Então, nós contribuímos com grandes lutas na cidade de Diadema e fizemos as primeiras experiências de introduzir material didático para História, Geografia, e também para algumas aulas de Filosofia, produzidas pelos próprios militantes. Foi uma experiência muito rica e muito consistente. Iniciamos assim a preparação de alguns conteúdos do ponto de vista do ensino da Filosofia.

A APEOESP ainda é considerado o maior Sindicato da América Latina, que já chegou a ter mais de 150 mil associados, uma força gigantesca na vanguarda brasileira, cuja central fica na Praça da República, centro de São Paulo. A partir da experiência da produção de textos em Diadema, começamos a participar do Coletivo Estadual de Filosofia, Sociologia e Psicologia da entidade.

A cronologia a seguir se faz necessária para que os companheiros/as entendam que a APROFFIB é fruto das lutas vivenciadas no cotidiano das salas de aulas e das movimentações coletivas e sindicais. Essa é a natureza, a origem do que nós imaginamos que deve ser uma entidade de Filosofia.

Na APEOESP, participamos da organizamos o Coletivo Estadual de Filosofia, Sociologia e naquela época havia também atribuição, numa escala menor, de aulas de Psicologia. Nós nos reuníamos frequentemente, fazíamos encontros, esse período foi muito rico porque já tínhamos essa preocupação dentro do próprio Sindicato dos Professores - APEOESP, visto que essa área, principalmente do ponto de vista da sua criticidade, fosse preservada, tivesse um espaço próprio para poder ajudar na reflexão dos professores dentro do Sindicato no Estado de São Paulo. Evidentemente, que isso logo criou alguns problemas, divergências e ciumeiras.

A eleição do Presidente Lula, em 2003, foi um marco importante na luta pelo avanço dessa demanda na educação brasileira e a luta pela implantação da filosofia e sociologia continuava fortemente.

No dia 7/7/2006, o Conselho Nacional de Educação decidiu, por unanimidade, a obrigatoriedade do ensino de Filosofia e Sociologia na rede pública brasileira.

De São Paulo saiu um ônibus que se juntou a outras delegações do Brasil, perfazendo em torno de 300 professores no plenário do Conselho Nacional de Educação, que após pressão, comemoram tamanha vitória do movimento organizado.

Neste dia, foi publicado no UOL Educação vários depoimentos e citações a saber: O professor “César Callegari que era o relator da proposta, falou da importância que teve a aprovação dessa propositura que estabelecia a obrigatoriedade da Filosofia. ”

A resolução 4 foi um marco importante na nossa luta pela obrigatoriedade da Filosofia e Sociologia nas escolas brasileiras.

A avaliação também do titular da pasta da Secretaria de Educação Básica do MEC, o “Chagas, na ocasião também elogiou a importância da aprovação dessa medida aprovada. ”

Ao ser perguntado pelo repórter, afirmei que a partir de então, “o jovem vai entender o seu papel na história e saber que ele pode ser um agente transformador na sociedade”.

Nos dias 22, 23 e 24 de julho de 2007 é realizado o Encontro Nacional de Filosofia e Sociologia, com cerca de 600 professores de todo o Brasil, no Parque do Anhembi, em São Paulo, e grande parte dos participantes não era apenas intelectuais da academia, mas professores/as sindicalistas e estudantes.

Este encontro foi o primeiro embrião do surgimento da APROFFIB. Simbolicamente, consideramos o primeiro encontro da entidade, em meio a muitos tencionamentos e disputas políticas, representou um momento singular na luta pela organização popular da Filosofia no Brasil.

Na sala do encontro reservada para os professores/as Filosofia, tomei a iniciativa e distribui um documento falando da necessidade da nossa união e organização, visto que a luta definiu o novo patamar organizativo e de necessária representação associativa em todo Brasil.

Os coletivos estaduais, a exemplo da APEOESP que teve papel importante na organização e suporte das lutas no Estado, agora se fazia necessário uma entidade de caráter nacional para dar visibilidade a luta em curso, criar um campo de diálogo com os novos educadores que seriam contratados em todo país, assim como a necessidade de novos patamares representativos se faziam necessários.

No referido encontro foi marcante nossa atuação no dia 24/07, quando propusemos, publicamente, a formação do Coletivo Nacional de Filosofia, mesmo diante de várias manobras por parte do setor dirigente do encontro que tentava evitar propostas fora do âmbito burocrático das entidades proponentes. Mesmo assim, eu pedi licença ao plenário de Filosofia, falamos sobre o documento que eu havia apresentado no dia anterior. De certa forma, acabamos chamando a atenção para a importância e a concordância dos presentes para essa organização. Nesta plenária, em torno de 80 professores que estavam presentes após diálogo e debates, aprovaram a criação do Coletivo Nacional de Filosofia com a representação de dois professores/as por Estado.

Para responder por esse coletivo, no Estado de São Paulo ficaram o Professor Aldo Santo e o Celso Torrano, professor de Filosofia, em Osasco.

Ficamos responsáveis para fazer a conexão e a parte de interatividade com esse processo e demais professores que compuseram o coletivo.

Portanto, foi um passo significativo no ano de 2007, com a aprovação neste Encontro Nacional, no Parque Anhembi com cerca de 600 professores, a formação do Coletivo Nacional de Filosofia.

É aí que surge o embrião da APROFFIB, o embrião de uma organização para dialogar com esse segmento resultante da luta pela obrigatoriedade da Filosofia no ensino médio brasileiro.

Em janeiro 2008, é realizado o Congresso Nacional da CNTE onde fizemos uma primeira reunião com vários professores/as de vários estados do Brasil. Tudo isso está registrado em documentos que vamos disponibilizar para os interessados/as. Realizamos a reunião do Coletivo Nacional de Filosofia com vários indicativos organizativos e encaminhamentos no âmbito da luta pela Filosofia no Brasil.

Em 2008, foi realizado o 9º Encontro Estadual de Filosofia em São Paulo pela APEOESP, e a polêmica central foi a apresentação de nossa parte de uma proposta sugerindo a criação de uma entidade de Filosofia, uma Associação dos filósofos/as no Estado de São Paulo.

Mesmo diante da polêmica levantada no referido encontro, a mesma foi aprovada, nascendo assim a história e a ideia da APROFFESP - Associação de Professores de Filosofia e Filósofos do Estado de São Paulo.

Neste ano vamos ter aprovação da Lei 11.684 revendo o artigo 36 da LDB, introduzindo a obrigatoriedade da Filosofia e da Sociologia no ensino brasileiro.

Em 2009, é eleita e empossada a primeira Diretoria da APROFFESP.

Em 2010, 2011, tanto a APROFFESP quanto o Coletivo Nacional de Filosofia acompanharam a implementação da luta pela Filosofia no Ensino Médio no Brasil, além da consolidação das entidades e o fortalecimento organizativo das nossas lutas.

Em 6/7 de dezembro de 2012, é realizado o Primeiro Encontro Estadual de Professores/as que estavam lecionando Filosofia no Estado. Este encontro aconteceu na Alesp, com cerca de 500 professores/as do estado e observadores de fora.

Na ocasião, nós conquistamos o direito ao abono de ponto para participar deste encontro conforme reunião realizada com o Secretário adjunto de Educação, João Palma, pela diretoria da APROFFESP.

Nesse encontro foi realizada uma plenária interna para aprofundar a atuação do Coletivo Nacional de Filosofia e outros encaminhamentos. Após amplo debate, optamos em transformar o coletivo nacional em Associação de Professores de Filosofia e Filósofos do Brasil.

Portanto, nessa plenária realizada dentro do Encontro foi constituída uma comissão provisória da Associação com a responsabilidade de, até maio de 2013, proceder a efetiva eleição e a parte legal da mesma.

Em 6 de fevereiro de 2013, a Comissão Provisória Nacional da APROFFIB agenda reunião com o Deputado federal pelo PSOL, Ivan Valente, e encaminhamos a solicitação para que este apresentasse na Câmara Federal o projeto de implantação da Filosofia no Ensino Fundamental, a exemplo do que fora encaminhado pela diretoria da APROFFESP ao Deputado Estadual, Carlos Giannazi, em São Paulo.

O referido projeto já foi aprovado em todas as comissões e agora falta a apreciação do Plenário.

Portanto, é um pouco essa a caminhada que nós tivemos até hoje na APROFFIB.

De 2013 até hoje, outras atividades foram realizadas no Estado de São Paulo e contatos pelo Brasil, estabelecendo diálogo com este segmento que ela se propôs organizar.

Conforme aprovado no 1° Encontro Estadual da APROFFESP, realizado na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, nos dias 06 e 07 de dezembro de 2012, foi constituída uma comissão provisória até a primeira plenária da APROFFIB que foi agendada para o dia 16 de maio de 2013.



DIRETORIA PROVISÓRIA 2012-2013

Presidente: Aldo Josias dos Santos

Vice-presidente: Hugo Allan Matos

Secretária: Alexandra Sousa Barros

Tesoureiro: Álvaro Augusto Dias Junior

Diretores de Comunicação e Propaganda: José Carlos Carneiro; Eduardo Carvalho

Diretor de Relações Pedagógicas: Chico Gretter

Diretor de Relações Institucionais: José de Jesus


Diretoria - Período 2013 – 2017

Presidente: Aldo Josias dos Santos

Vice-presidente: Hugo Allan Matos

Secretário: George Luís Henrique Costa Vitorino

Tesoureiro: André Sapanos de Carvalho

Diretor de Comunicação e Propaganda: José Carneiro dos Santos

Diretor de Relações Pedagógicas: Marcos da Silva e Silva

Diretor de Relações Pedagógicas: Francisco Paulo Gretter

Diretor de Relações Institucionais: José de Jesus Costa


Diretoria - Período 2017 – 2019

Presidente: Aldo Josias dos Santos

Vice-presidente: Marcos da Silva e Silva

Tesoureiro: Alan Aparecido Gonçalves

Secretário: Cristiano Leme

Diretor de Comunicação: Tiago Rosa de Jesus Silva

Diretor Articulador das Coordenações de Base: Valmir João Schmitt

Diretor de Relações Sociais, Sindicais e Institucionais: Gentil Martins dos Santos

Suplentes: José Mário de Freitas Medina Leal; Lúcia Aparecida Denardi; José Carlos Costa Hashimoto Junior; Euclides Gomes Bueno; Jerry Adriano Villanova Chacon


Diretoria - Período 2019 – 2022

Presidente: Marcos da Silva e Silva

Vice-presidente: Aldo Josias dos Santos

Primeiro secretário: Cristiano Leme

Segunda-secretária: Elaine Camilo

Primeiro tesoureiro: Tiago Rosa de Jesus Silva

Segundo tesoureiro: Aldacir Fonseca de Souza

Diretor de Comunicação e Propaganda: Alan Aparecido Gonçalves

Diretora de Relações Pedagógicas: Nathalia de Oliveira

Diretor de Relações Institucionais: Pablo Martin Briga


APROFFIB – Associação dos Professores/as de Filosofia e Filósofos/as do Brasil


Diretoria- Período: 2022/2025

Presidenta: Neuza Aparecida de Oliveira Peres,

Vice-presidente: Aldo Josias dos Santos

Secretaria Geral: Maria Terezinha Corrêa

Tesouraria: Laismeris Cardoso de Andrade

Diretor de Comunicação e propaganda: José Antonio Burato

1ºDiretor de relações pedagógicas: Gleidimar Alves de Oliveira

2º. Diretor de relações pedagógicas: Valdenir Abel dos Santos

1º. Diretor de Relações Institucionais: Marcos da Silva e Silva

2º. Diretor de relações institucionais: Aldacir Fonseca de Souza


Com a realização do Segundo Encontro Nacional de Professores/as de Filosofia e Filósofos/as do Brasil, em 2022, inauguramos um novo período de luta, diante do enfrentamento ao crescente neofascismo, a tomada de partido em apoio a um novo governo progressista e os desdobramentos e encaminhamentos aprovados coletivamente.


São Paulo, 13/01/2023


Contribuição ao debate!


Aldo dos Santos – Militante Sindical, diretor da Aproffib e Aproffesp e militante do Psol.




Obs.Transcrição da Professora Neuza Peres, da exposição do Professor Aldo dos Santos em reunião virtual realizada no dia 06/12/2022, a convite do Núcleo de professores/as de filosofia, com revisão e adendos do autor.


278 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 comentário


Chico Greter
Chico Greter
04 de mai. de 2023

Quero salientar aqui que em 2012 foi realizado, na ALESP, o 1° Encontro Estadual de Professores/as de Filosofia organizado pela APROFFESP. Esta informação não está no texto! Há uma confusão no texto entre as entidades APROFFESP e APROFFIB, dando a entender que esta última foi funda primeiro, mesmo porque não se menciona as Diretorias da APROFFESP, fundada em 2009! As lutas daquele ano até 2013 foram encaminhadas em nosso Estado pela APROFFESP; quanto ao "Coletivo Nacional de Professores de Filosofia", se o mesmo existiu, foi somente no papel, pelo menos em nosso Estado!

Curtir
bottom of page