top of page

TERRORISMO JUDAICO E REVERÊNCIA OCIDENTAL POR ISRAEL!


Heba Ayyad***



O crime ocorreu quando um grupo de colonos atirava pedras e incendiava carros. Quando os moradores enfrentaram os agressores, dois colonos abriram fogo, matando um palestino de dezenove anos chamado Qusai Jamal Maatan e ferindo outras pessoas.

Por sua vez, o chefe do Serviço de Segurança Geral de Israel, Ronen Bar, em entrevista à imprensa ontem, usou a expressão "terrorismo judaico", acrescentando que havia colocado alertas sobre o crescimento desse terrorismo no gabinete do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, e considerou que esse terrorismo judeu alimenta o “terrorismo palestino” que, segundo ele, os movimentos “Hamas” e “Jihad Islâmica” estão se beneficiando disso.

O termo também foi usado por Benny Gantz, membro do Knesset e chefe do partido do “campo oficial”, quando disse: “Um perigoso terror nacional judeu está se desenvolvendo diante de nós - casas e carros em chamas, tiroteios e muitos incidentes de fazer justiça”, considerando que o evento ocorrido na Cirenaica se junta a uma série de incidentes que preocupam as forças de segurança em “perseguir os israelenses em vez de protegê-los”.

O governo de Netanyahu desconfia de comparações entre a violência dos colonos e o que Israel chama de "terrorismo dos palestinos".

Os colonos têm permissão para possuir e portar armas, seus ministros racistas incitam abertamente a atacar palestinos e até encorajam membros de gangues a matar supostos palestinos. Essa violência é legítima de acordo com o costume do governo. Quanto a defender aqueles cujos países foram ocupados, em nome de suas famílias, filhos, lares, terras e propriedades, enquadra-se na categoria de terrorismo.

À luz do enorme desequilíbrio material e midiático no conflito palestino-israelense, qualquer iniciativa dos ocupantes e de seus patrocinadores internacionais para reconhecer qualquer forma desse desequilíbrio, descrevendo o que os colonos fazem com o termo terrorismo, é útil, pois serve para deslocar a hegemonia simbólica desse termo, que as máquinas midiáticas internacionais trabalharam durante décadas para vestir apenas os palestinos, para depois generalizá-lo, posteriormente, sobre árabes e muçulmanos, de várias formas, com descaso deliberado, e simpatia tácita, com as práticas criminosas contra os palestinos.

Em seu relatório anual publicado para este ano, a Anistia Internacional se referiu aos métodos usados ​​pelo Ocidente, nos Estados Unidos e nos governos da Europa, para praticar “duplicação de posições” em relação às violações de direitos humanos no mundo e se recusar a confrontar as práticas do estado de Israel contra os palestinos, que a Anistia descreveu como um apartheid de estado. No entanto, ao invés de pedir aos governos ocidentais para que Israel pare com esse apartheid, eles atacam aqueles que revelam essa discriminação.

Um dos paradoxos ocidentais descoberto por um artigo no site “mag.972” sobre o assunto é que a filial da Anistia Internacional na Alemanha praticamente faz o que os governos ocidentais fazem, pois ignora as violações israelenses dos direitos dos palestinos, enquanto as declarações do referido ramo, publicadas no site “X” (Twitter) sobre Irã, Rússia, Turquia e Afeganistão.

O referido paradoxo revela o enraizamento da narrativa israelita e suas “passadas de pano” na Alemanha, e isso é algo que tem as suas razões bem conhecidas, e é algo que, quando comparado com o que é escrito e dito na própria imprensa israelita, parece ser reverência exagerada, de uma forma que torna as elites políticas e culturais alemãs, e muitas elites ocidentais, mais cúmplices do racismo, os israelitas dos próprios israelenses.


@Heba Ayyad Jornalista internacional

Escritora e poeta Palestina

Analista política internacional

128 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page