top of page

Os/as filósofos/as tomam partido no segundo turno das eleições 2022

Atualizado: 29 de out. de 2022


Lula teve uma votação histórica no primeiro turno, terminando com mais de seis milhões de votos à frente de seu adversário; todavia, a eleição para a Câmara dos Deputados e o Senado não foram muito favoráveis aos candidatos progressistas e foi eleito um Congresso ainda mais com cara de “centrão”: conservador, reacionário, fisiológico, baseado nas práticas do toma lá dá cá, a (mal) exemplo do “orçamento secreto”. Mas agora estamos no segundo turno, Lula e Bolsonaro se enfrentam no segundo turno da eleição para a presidência da República e Haddad x Tarcísio no confronto pelo governo do Estado de São Paulo.

Aos que dizem que “os políticos são iguais”, apresentamos abaixo diferenças profundas entre os candidatos Lula e Bolsonaro. As histórias pessoais e a vida política de cada um não percorreram os mesmos caminhos; enquanto um foi um retirante nordestino vindo com a mãe e irmãos para o Estado de São Paulo, fez curso técnico, empregando-se como torneiro mecânico nas indústrias do ABC; e tornou-se uma importante liderança sindical nos 70. Jair Bolsonaro é paulista do interior, de uma família com ascendência italiana, mas construiu sua carreira política no Estado do Rio de Janeiro; antes quis seguir a carreira militar, porém foi exonerado do Exércido depois de ter sofrido um processo por indisciplina e ter sido condenado por atos atentatórios à ordem pública.

Vejamos de forma resumida algumas outras importantes diferenças entre os referidos candidatos: - Lula foi um dos fundadores do PT – Partido dos Trabalhadores, partido a que pertence desde o início e do qual é presidente de honra; Bolsonaro está no seu nono partido, o PL – Partido Liberal ao qual se filiou apenas para disputar esta eleição, saindo do PSL com o qual concorreu em 2018. A desvalorização e a infidelidade partidária revela o pouco valor que Bolsonaro dá ao jogo democrático, o que é demonstrado por suas constantes práticas autoritárias e ataques ao STF. - Lula é ideologicamente ligado aos movimentos dos trabalhadores da chamada “esquerda” socialista ou à social-democracia. Bolsonaro é ligado à direita conservadora/reacionária e à extrema direita com fortes influências fascistas. - Lula tem sua carreira politica ligada à luta pelos direitos dos trabalhadores, tendo feito dois governos com distribuição de renda e quase pleno emprego, enquanto o governo ultraliberal de Bolsonaro/Guedes promove reformas retirando os direitos dos trabalhadores os quais foram conquistados com muita luta e vidas sacrificadas. - Quanto ao meio-ambiente, nos governos Lula/Dilma houve uma sensível diminuição dos desmatamentos e queimadas ilegais, enquanto no governo Bolsonaro ocorreu um aumento da destruição da floresta amazônica com queimadas, invasão de terras indígenas, garimpos ilegais e mortes de lideranças. Os bolsonaristas possuem uma visão predatória do agronegócio. - Enquanto Lula, o PT e todos os partidos aliados defendem a concepção republicana de um Estado laico, separado da regilião ou das Igrejas, Bolsonaro faz um governo com fortes influências do pentecostalismo e do fundamentalismo religioso de igrejas evangélicas que pregam a “teologia da prosperidade” e uma moral conservadora. Enquanto a chamada “igreja progressista” temsimpatia para com o programa do PT e da esquerda, os conservadores e os tradicionalistas apoiam as bandeiras do bolsonarismo que possui fortes ligações com a extrema direita nazifascista. - Os pastores e “bispos” que apoiam Bolsonaro construíram impérios empresariais e de mídia de massa, com centenas de emissoras de rádio, canais de TV aberta e a cabo; a utilização da religião e a exploração da fé do povo nas campanhas políticas é assustadora e muitas vezes criminosa, pois ferem a nossa Constituição que preconiza o Estado laico, separado da religião. Já Lula, o PT e a maioria dos partidos defendem o Estado laico e republicano, com liberdade para todas as religiões e igrejas, mas sem a intromissão nas coisas do Estado. - O programa de governo da aliança que apoia Lula defende um Estado organizador da economia, fortalecedor das organizações sociais e públicas ligadas à educação (escola pública de qualidade, etc.) e à saúde pública (SUS...), à segurança pública; Lula é contra a privatização de setores estratégicos como a Petrobrás, o Banco Central, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal; já Bolsonaro e seu ministro da economia Paulo Guedes defendem o estado mínimo neoliberal e privatista em que só o mercado deve regular toda a economia.

Essa política neoliberal e privatista encontra eco aqui no Estado de São Paulo em Tarcísio de Freitas do Republicanos que já tem o apoio do também ultraliberais do PSDB de Rodrigo Garcia/Dória. A briga entre Bolsonaro e Dória durante a pandemia no fundo era apenas uma disputa por espaço político entre iguais; na economia e na gestão do Estado são faces da mesma moeda: o neoliberalismo. Se o carioca Tarcísio de Freitas for eleito governador de nosso Estado, nós professores sofreremos ainda mais a perda de direitos e a destruição de nossa carreira, da mesma forma que a escola pública continuará sendo destruída e privatizada como vem ocorrendo nas últimas décadas pelas gestões tucanas.

Outro fator que marca o advento do bolsonarismo é o surgimento do chamado “gabinete do ódio” e a fábrica de “fake news” que começaram a dar o tom das campanhas políticas a partir de 2018. O grupo que coordena essas práticas ilegais e antidemocráticas está sob inquérito do STF, o que tem gerado constantes ataques do presidente ao Supremo durante todo o seu mandato, gerando uma crise institucional igual ou pior do que vimos durante os regimes ditatoriais que mancharam a nossa história. Da mesma forma se ataca as urnas eletrônicas sem nenhuma comprovação de fraude em 26 anos de sua utilização simplesmente para desligitimar e enfraquer a democracia.

Outra diferença enorme entre os candidatos Lula e Bolsonaro é a política de segurança pública que, para Bolsonaro e Tarcísio, está em defender mais armas para a população (privatiação da segurnaça, lucros para a indústria de armas), mais repressão policial, mais encarceramento, etc; já Lula defende a valorização da segurança pública e dos policiais civis e militares e até mesmo a desmilitarização da PM, a profissionalização dos agentes públicos e a utilização de mais inteligência e menos repressão. Da mesma forma o sistema penitenciário brasileiro deveria ser totalmente reformulado, pois tornou-se depósito desumanos de pretos e pobres e “escola do crime” em que as prisões são dominadas por facções criminosas em todos os estados! Como vemos, a máxima de que “todos os políticos são iguais” e “todo político é ladrão” são pseudo verdades que devemos combater e demolir; Bolsonaro e Lula, são muito diferentes quanto aos compromissos, práticas políticas e visão de mundo. Quem generaliza para justificar o voto nulo, em branco ou não vai votar, é porque perdeu a esperança ou porque se omite e faz perpetuar a corrupção endêmica e estrutural que corrói o Estado, as instituições e empresas públicas e privadas do país. A omissão é a tática dos pessimistas e preguiçosos!

A APROFFESP convoca então todos/as os/as professores/as de filosofia e todos/as os/as educaores/as para no dia 30 deste mês votar consciente, votar certo e isto supõe, para nós, eleger Lula-13 presidente do Brasil e Haddad-13 governador de nosso Estado! A educação pública e a Democracia agradecem! DIRETORIA DA APROFFESP (2021 – 2024)


Presidente: Francisco Paulo Greter Vice: Anízio Batista de Oliveira Secretária: Vera Helena Alberich Vice: Alvira Soares Reis Tesoureira: Sônia Maria de Almeida Vice: Osmar Francisco de Almeida Diretor Organizativo de Comunicação e Propaganda: Diego de Moraes Marion Milan Diretor Adjunto: Ederson Rodrigues Cordeiro Diretor Org. Políticas Pedagógicas/Rel. Acadêmicas/ Legislação: Selma Leite Galindo da Silva Diretora Adjunta: Roseli da Silva Fernandes Diretor Org. de Movimento Sindical e Relações Sociais: Aldo Josias dos Santos Diretor Adjunto: Miguel Nogueira da Silva Diretor Organizativo da Capital e Grande São Paulo: Anilton Oliveira Santos Diretor Adjunto: Marcos Rubens Ferreira Diretor Org. do Interior: Ademir Alves de Lima Diretor Adjunto: Rodrigo Pereira Lira Alexandre



ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES/AS DE FILOSOFIA E FILÓSOFOS/AS DO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ N°19.054.O67/0001-37 http://aproffesp.blogspot.com – facebook.com/AproffespEstadual




330 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


naoperes
naoperes
Oct 28, 2022

Perfeito: Didático e direto!!

Parabéns à Aproffesp!

Like
bottom of page