PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRAS: TRAIÇÃO AO NOSSO POVO, ENERGIA MAIS CARA!


Alberto Souza*...



A Privatização da Eletrobras.


Um patrimônio do país e do povo a ser entregue ao capital privado , para que capitalistas se encham de lucros, concentrando em seu domínio mais capital, ficando cada vez mais ricos. E um dos resultados não será outro: o valor da energia elétrica irá para a lua, como tem acontecido com todas as estatais de eletricidade já privatizadas. Houve caso de a conta de luz subir sua taxa para mais de 200%, após privatizações.

Em Salvador, por exemplo, uma residência com apenas duas pessoas chega a ter de pagar mais de 300 reais mensalmente.


A entrega da Eletrobras é de fato coisa de traidores da pátria e do nosso povo. Coisa de quem acha que o Brasil e os brasileiros não devem ser donos de suas riquezas, mormente estratégicas, como energia em geral; coisa de quem acha que o Brasil não deve ser soberano, não passando de uma colônia de novo tipo.


Os traidores de nosso país usa a falta de memórias e desinformação de nossa população para enganá-la e vender o Brasil, empobrecendo cada vez mais o seu povo:


A energia elétrica até os anos 50 do século passado era privatizada, sob controle da Light. Esta, já havia muito tempo, parava de investir e, quando fazia algum gasto, recorria aos próprios cofres públicos. Tamanha foi a crise de falta de energia elétrica, por tal empresa estrangeira parar de investir no país, que a solução, às pressas, foi os Estados construírem hidrelétricas para que as economias locais não entrassem em colapso e a população não ficasse sem luz nas cidades, em todas as regiões.


A situação ficou tão crítica que Getúlio percebeu ser iminente criação de uma estatal nacional: a Eletrobras. Seu projeto seria concretizado pelo governo Jango Goular;também, apressadamente, decorrendo na construção da Usina de Furnas, a fim de que a própria atividade industrial do Sudeste, principalmente a do Rio de Janeiro ,não fosse paralisada.


A Eletrobras, criada com o dinheiro do povo brasileiro, veio para salvar a economia do Brasil; e se tornou uma das maiores empresas de eletricidade do mundo. Foi ela, não uma empresa de quem só pensa em lucros, sem nenhum compromisso com o Brasil, que desempenhou tal papel, trazendo milhões de empregos. Foi ela que garantiu por tanto tempo um preço de conta de luz , senão o ideal, mas com possibilidade de tarifas sociais.


Agora, em mãos dos donos do capital, vai cobrar energia mais cara que nunca, com gente tendo que gastar menos com comida e medicamentos, para poder pagar contas de luz absurdas.


Por se ter tornado a gigante que é, indispensável para a soberania do país, sempre lucrativa e, ao mesmo tempo, cumprindo seu papel social e econômico para o que foi instituída, passou logo a ser desejada por grupos econômicos em geral, inclusive estrangeiros. Só desejada pelo capital privado por ser lucrativa e estar pronta para lucros incalculáveis de grandes capitalistas, que sempre se recusaram e se recusam a investir em novas empresas, com gastos próprios, ao invés de se apoderaram da que um povo,com seus recursos, construiu às custas de sacrifício. Não é por acaso, que um dos tais analistas econômicos da CNN, de sorriso largo, afirmou que os atuais lucros obtidos pela Eletrobras a deixa " pronta pare ser privatizada". Confessa o próprio crime este pequeno sacerdote dos donos do dinheiro, ao dizer, ao seu jeito, que a estatal não seria privatizada, se não fosse tão lucrativa.


Infelizmente, as palhaçadas de Bolsonaro, com seu crimes de bufão de palácio, têm servido para acobertar sua traição e de Paulo Guedes, velho moleque filhote de Pinochet e dos colonialistas da Escola de Chicago. Não se fala de outra coisa senão de suas gracinhas trágicas, desviando-se atenção de seus crimes de lesa-pátria.


Vítima da fanfarronice do Grande Miliciano, novo chefe do fascismo brasileiro, a maioria do nosso povo não consegue ver que o novo grande traidor do nosso povo , ao privatizar a Eletrobras, dá continuidade ao seu propósito de vender o Brasil, tornando-o uma neocolônia do grande capital internacional e das potências que o representam.


É preciso reagir pela soberania do nosso país e de seu povo!


Alberto Souza - Ex-vereador em SBCampo, sindicalista e militantes dos Direitos Humanos.

32 visualizações0 comentário