Os Quilombos estão em movimento da periferia para o Centro.


Por: Aldo dos Santos*...



Ao chegar à Praça da Matriz em SBCampo, me fez rememorar as grandes batalhas desde a época da ditadura até a batalha da Matrix atualmente.

Podemos afirmar que se trata de um palco urbano de resistência, como foram nas greves dos metalúrgicos no início da década de 80, como foi na ocupação de despejados do Santo Dias em 2003 e como está sendo agora com um verdadeiro banho de cultura da periferia no centro de uma das cidades mais importantes do Brasil.

Na época da ditadura, a igreja acolhia os metalúrgicos e a mesma foi importante aliada dos trabalhadores do ABCD. Na ocupação da praça pelo movimento sem teto em 2003, a atitude de alguns padres foi deplorável, impedindo os sem tetos de adentrarem a igreja para suas orações, e ao invés de apoiar a luta dos pobres sem tetos, fizeram coro com os poderosos para que os mesmos saíssem o quanto antes daquele espaço que lhes restava. Foram expulsos do terreno onde hoje é o deposito das Casas Bahia, em frente a Volkswagen, acamparam parcialmente no Paço municipal de onde foram expulsos, acamparam na Praça da Matriz, onde mais uma vez foram rejeitados. Nunca a Praça da Matriz foi tão bonita, quase toda coberta de lonas de plásticos com famílias ao relento, relatava uma pessoas simples do movimento.

Depois da destilação do veneno e ódio de classe dos poderosos do centro, foram acolhidos na Apeoesp/sbc e, posteriormente, depois foram para a sede da gaviões da Fiel na Capital.

Se nos tempos atuais do Papa Francisco, tratam os pobres assim, imagina na época das fazendas com a naturalização da escravidão, podemos imaginar a serventia das Igrejas grandes e as pequeninas no contexto de classe?

Nos dias atuais, a grande batalha é para se assegurar o direito à voz da periferia, aos descendentes dos escravizados, por anos sem vez e sem voz.

Espero que o prefeito Orlando Morando não faça o que tem feito em muitas praças nas periferias, cercando-as numa tentativa privatista das mesmas.

Nesta terça feira, 26/04/2022, foi vergonhoso a quantidade de viaturas da policia militar e da GCM, além de infiltrados em meio a garotada, para impedirem a realização desta destacada atividade cultural.



A batalha da Matrix resiste como podemos observar no relato feito pelo educador popular:

“Hoje a noite teve presença do Guilherme Boulos na Praça da Matriz, durante a BATALHA DA MATRIX. Os companheiros e companheiras, irmãos e irmãs do SINDISERV de SBC; 10 irmãos e irmãs da UNEAFRO sendo 10 advogados. Companheiros e companheiras do MTST; o combativo jovem militante do PT de SBC, Ananias Andrade; a juventude do Movimento Estudantil Livre (PSOL); a juventude do MES (PSOL); vereadora do mandato coletivo do PSOL de São Caetano do SUL do Mulheres por + Direitos; Rede Emancipa; PROJETO MENINOS E MENINAS DE RUA; UJC; o companheiro militante histórico do ABC, bacharel em direito, doutor Renato Fagundes; o companheiro filósofo da práxis, professor Aldo Santos, corrente ENFRENTE ( PSOL)

Estiveram presentes também os presidentes do PT de SBC, e o de Santo André (Sendo o presidente do PT de SBC um ativo advogado militante); a vereadora Ana Nice do PT de SBC e a assessoria do mandato do deputado federal Vicentinho; e MST.

Diante dessa rede de apoiadores a ameaça de apreensão do som por parte do comando da GUARDA MUNICIPAL DE SBC, não se fez cumprir. E a BATALHA DA MATRIX ocorreu pela terceira terça feira consecutiva, mesmo diante de coação e ameaças por parte do aparato da GUARDA MUNICIPAL DE SBC (com 5 viaturas da ROMU ).

Por 3 terças feiras seguidas, mesmo sob coação e ameaças da GUARDA MUNICIPAL DE SBC, a BATALHA DA MATRIX aconteceu.

Terça feira que vem tem mais luta!

ENFRENTE!

Avante” (Carlos Welington - Educador popular e militante dos Direitos Humanos. 0


Observa-se, portanto, verdadeira discriminação com a garotada da periferia que está cansada da segregação racial, social, econômica e cultural ao longo da sua existência.

Como afirma Castro Alves: “A praça é do Povo”!

Como o céu é do Condor!”

A Praça é da juventude que sonha e luta por um mundo novo, livre e liberto dos governantes e algozes do capital.


Lutar, resistir e vencer é preciso!


Aldo Santos – Ex-vereador em sbcampo, Militante sindical, membro das entidades de filosofia (Aproffesp/Aproffib), defensor dos Direitos Humanos e militante do Psol.

114 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

LETRAS