Olhando a célere recuperação e inserção da República Popular da China no mundo...



Para Karl Marx, a economia, (produção, distribuição e consumo da riqueza) - infra-estrutura determina a superestrutura: a política...


Deng Xiao Ping, líder chinês que sucedera Mao Tse Tung, inverteu, a meu ver, a retromencionada versão marxista. Parece paradoxal: economia socialista de mercado. Lá, na China, a política - o Estado- influenciou, direcionou a economia. E, pelos números, sem adentrar-me ao "modus operandi", funcionou, deu certo. A China caminha a passos largos para, brevemente, se transformar na mais poderosa economia do mundo, superando os EUA. E o surpreendente: em tão pouco tempo, relativamente.

Pelo menos teoricamente com um centralismo democrático à la Wladimir Lenin...

Em um país de mais de 1 bilhão de habitantes, fico imaginando!! Dá para afrouxar as rédeas da política? Dá?

A China, deveras, segurou na política, investiu em educação, tecnologia, conhecimento. Enfrentou e enfrenta no "tete-a-tete" a concorrência... Transformou-se num "gigante". Joga na política (é membro permanente do Conselho de segurança da ONU), e na economia (com fortes investimentos em todos os continentes).

Que bom!! Sempre é bem vindo o contra-peso na "balança", condição "sine qua non" para manter o equilíbrio entre os povos.

Fica a pergunta: O que a República Federativa Brasileira poderia fazer, "mutatis mutandis", para ter tamanha proeza? Heim?


Joaquim Netto!!

90 visualizações1 comentário

@ 2020 ABC DA LUTA 

OS TEXTOS PUBLICADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DOS AUTORES