AS CONTRADIÇÕES DEMOCRÁTICAS DO EUA...Heba Ayyad


O conglomerado da mídia sionista oligárquica, durante séculos, tem performando uma estratagema de lobotomia e alienação profunda nas sociedades ocidentais... Por isso, o que mais vemos em grupos de debates e ágoras como este, indivíduos alucinados ainda pela turva visão de que os EUA e seus vassalos europeus, são uma democracia... Especificamente os EUA cujo sistema bipartidário servem a um único status quo: a plutocracia.


As elites ocidentais acreditam ter o sistema perfeito de democracia multipartidária, Esta é a justificativa para múltiplas operações de mudança de regime nós corredores dos vizinhos que não se alinham ao seus interesses de colonialismo secular... Mas quão verdadeira é essa crença?


Eles sentem-se na obrigação, justificando suas agendas perniciosas, de atacar, minar, criticar e talvez até mesmo invadir nações para o bem de seus cidadãos que se sentem compelidos a libertar para que possam desfrutar do melhor sistema político que jamais poderia ser imaginado. Mas quão verdadeira é essa afirmação e, portanto, quão justificadas são essas elites em interferir em outras nações, como o fazem com virtual impunidade?


Existem várias contradições importantes nas premissas pelas quais essas elites vivem quando se trata de examinar o mundo em termos de ser menor do que elas e seus valores e sistemas “iluminados”.


A primeira contradição na determinação do Ocidente de levar a democracia a todos é a natureza inconsistente de sua estratégia quem vem em pompas e circunstâncias de mudança de regime.


Porém, não precisamos ser cientistas políticos para perceber que

As ditaduras teocráticas estão aparentemente isentas dessas bençãos (pelo menos se forem aliadas do Ocidente).


Os cidadãos da Arábia Saudita, por exemplo, podem aparentemente ser deixados de fora da equação que se trata da necessidade desesperada de espalhar a democracia por toda parte.


O mesmo vale para outros aliados do Ocidente no Oriente Médio, como Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Omã e Kuwait, nações vassalas, subserviente s ao EUA.


No entanto, o Irã, também uma teocracia parcial, mas uma nação onde seus cidadãos podem e votam livremente naqueles que defendem na hierarquia política do Irã, é considerado um caso adequado para mudança de regime, segundo os ditames da narrativa da elite americana....


Essa inconsistência deve, no mínimo, lançar dúvidas sobre os santos princípios que as elites ocidentais professam ter sobre levar liberdade e democracia para todos.... Isso contradiz a imagem de consistência em posturas morais superiores nas quais eles gostam de se retratar.


Isso se torna particularmente evidente quando eles fornecem a uma ditadura teocrática como a da Arábia Saudita armamento avançado para destruir uma nação pobre como o Iêmen à Idade da Pedra, da qual já estavam precariamente próximos...


Mas vejamos uma ou duas contradições muito mais amplas e abrangentes dentro do sistema político ocidental que se professa perfeito...


Como está se saindo atualmente em relação à pandemia de coronavírus?


Como está se comparando com a China, por exemplo?


No Ocidente, dentro do sistema tão perfeito de democracia, você geralmente tem dois partidos principais que tendem a estar sempre se contradizendo.


Este último tem sido o caso até relativamente recentemente, quando se tornou mais normal para ambas as partes tentarem ocupar o meio-termo favorável aos negócios na maioria das questões, com as diferenças relegadas a questões secundárias específicas sobre as quais eles lutam incessantemente.


Os piores excessos das grandes empresas tendem a não receber muita atenção, muito pelo contrário, são incentivados a fazer crescer a economia e a aninhar cada vez mais a elite da elite com os dos círculos políticos superiores.


Enquanto isso, o eleitor americano médio pode ser perdoado por pensar que seu voto é quase util, pois seus problemas vão permanecer para sempre irrelevantes... A plutocracia americana não se importa com 45 milhões de pobres morando em barracas de saco plástico preto, que a mídia pavão deles esconde...


Nós EUA a luta constante entre os dois partidos primários e a luta interna para ganhar o poder cria uma atmosfera contínua de caos, onde a discordância sufoca o progresso, e um ciclo político de carrossel de quatro anos significa muito do que o ocupante anterior do poder fez ou deixou pendente... A pobreza da população aumenta, junto com a dívida trilionésima de 44 trilhões de dólares... Estão falidos...


Quantos eleitores Americanos em tal sistema realmente acreditam que a classe política e seu sistema trabalham em seu benefício e não em benefício das elites da classe empresarial?


Compare o caos no Ocidente com o progresso de década após década da China.


Na China, o tipo de democracia visto no Ocidente supera os requisitos. O ethos de beneficiar todos os cidadãos está embutido nas bases de seu sistema político.


O Partido Comunista da China é o único responsável perante o povo da China e tem o dever de cumprir as suas responsabilidades.


Deve fazer isso ou enfrentar as consequências em termos de declínio do apoio e aumento dos protestos.


Não tem opção de sair do poder e prometer ser melhor da próxima vez. (A China tem três ou quatro partidos políticos menores fora do poderoso partido comunista, mas a maioria deles fornece um ponto de vista diferente ao trabalhar em estreita colaboração com o Partido Comunista Chines.


A liderança da China, com o bem-estar de todos os seus cidadãos em mente, agiu rapidamente para conter a pandemia do coronavírus assim que seu perigo foi percebido. Construir dois hospitais completos em duas semanas e organizar um projeto abrangente para conter o vírus era algo que o Ocidente jamais poderia administrar.


A China mostrou que tem capacidade para reagir com rapidez na presença de ameaças ao seu povo.


Especialistas dizem que a atual pandemia certamente não será a última ou a mais severa.


E esta não é a única ameaça, as mudanças climáticas certamente produzirão efeitos muito mais devastadores se as tendências atuais continuarem. Somente nações como a China, que têm uma economia de comando forte planejada para o benefício de todos, com motivação em todos os níveis para se comportar de maneira zelosa com suas populações, serão capazes de enfrentar tais ameaças.


A forma como a China lida com a pandemia do coronavírus mostrou, por comparação, em que bagunça dividida e disfuncional o EUA está, pelo menos em relação às suas duas nações mais beligerantes, os Estados Unidos e o Reino Unido.


No entanto, a China é definitivamente um alvo de mudança de regime. Ouça Mike Pompeo sobre o assunto nas últimas semanas e meses e a política externa de Biden não deve vacilar em relação à defendida por Pompeo.


A Rússia, com muito mais elementos de democracia ocidental do que a China e os estados do Oriente Médio que o Ocidente tanto ama, pode-se dizer que foi o alvo número um de mudança de regime por pelo menos uma década e meia.


A Rússia está estável atualmente, devido principalmente às qualidades de liderança de seu presidente e à popularidade de seu partido.


No entanto, se as elites ocidentais conseguirem o que querem, isso pode mudar e ver a Rússia cair no tipo de hiper-caos da esfera política muito evidente no Ocidente.


Na minha opinião, a fim de se proteger dessa eventualidade, a Rússia deve se mover em direção ao modelo chinês com o partido de Putin, Rússia Unida, se unindo ao partido de oposição da Rússia, o Partido Comunista da Federação Russa.


O futuro está cheio de ameaças. Em minha humilde opinião, como espécie, não podemos mais suportar o caos que os sistemas políticos ocidentais engendram.


Precisamos de uma liderança iluminada e unificada que coloque o homem e a mulher comuns da sociedade, na posição de mais alta prioridade, não os grandes negócios, uma liderança baseada em princípios sólidos, planejamento detalhado, incentivo da ciência e promoção do bem público social. Nossos líderes socialistas sabem disso.


A última coisa que o mundo e seu povo precisam é o mundo político do Ocidente que se assemelha a um campo de batalha onde os interesses conflitantes daqueles com ambições conflitantes ocupam um lugar de destaque, onde políticos lacaios, sedentos de poder e egoístas constantemente olham por cima dos ombros para seus doadores em vez dos eleitores, apenas para serem estimulados por uma ou duas questões na época das eleições.


O chamado sistema democrático do Ocidente, inerentemente divisivo e altamente fragmentado, será totalmente incapaz de enfrentar o que está por vir.


É um anacronismo decorrente de um passado bárbaro cujo limite de tempo já expirou há muito, se quisermos ter o tipo de civilização em nosso planeta com que certamente todos sonhamos.


Portanto, eu acho que as elites ocidentais NÃO têm justificativa para desprezar os sistemas políticos que não refletem os mesmos princípios dos seus.


Eles devem aprender um pouco de humildade, olhar para seus atuais fracassos abjetos, considerar como eles podem melhorar a si mesmos em vez de aos outros ... e enfrentar, finalmente, as contradições inerentes que provam que suas intervenções de mudança de regime não são nem nobres nem justificadas, mas na verdade são elas mesmas - crimes interessados ​​contra a humanidade.


Heba Ayyad - Escritora, poeta e jornalista Palestina.

22 visualizações

@ 2020 ABC DA LUTA 

OS TEXTOS PUBLICADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DOS AUTORES