APOIO INCONDICIONAL À GUERRA DEFENSIVA RUSSA CONTRA O IMPERIALISMO!



PELA DESNAZIFICAÇÂO DA UCRÂNIA!***


PELA DESMILITARIZAÇÂO DA UCRÂNIA!***


Em 24 de fevereiro de 2022, o governo russo anunciou que as forças armadas da Rússia fariam uma operação militar especial para desnazificar e desmilitarizar a Ucrânia. Ação esta que tem como alvo desmontar as estruturas militares nazistas presentes na Ucrânia, inclusive, como parte do Ministério do Interior Ucraniano (vide o Batalhão Azov, dirigido pelo nazista Dmitro Yarosh, nomeado por Zelensky em novembro de 2021 para ser Conselheiro militar do exército ucraniano ligado ao Ministério da Defesa. Dmitro foi encarregado pela CIA para coordenar os grupos nazistas em 2007 contra a Rússia na Guerra da Chechênia, assumindo um papel fundamental no Golpe de 2014 - Euromaidan. A estrutura militar nazista ucraniana é armada e treinada por assessores militares da Inglaterra e dos Estados Unidos sob o pretexto de estarem treinando o exército ucraniano. Desse modo, o governo russo vem denunciando que esses grupos nazistas têm como plataforma política impor a russofobia ao povo ucraniano.


A Rússia é uma nação imperialista ou uma nação oprimida?

Na época do capitalismo imperialista o mundo se divide entre nações imperialistas opressoras e nações oprimidas. As nações imperialistas, a exemplo dos USA, são as que controlam o capital financeiro, as industriais, o mercado, os monopólios, ou seja, dominam a economia mundial, por isso são capazes de impor sanções econômicas e militares contra as nações oprimidas. Quais são as nações que sofrem sanções atualmente? Irã, Coréia do Norte, Síria, Nicarágua, Rússia, China, Venezuela, Cuba, Afeganistão, Iraque, Ex-Iugoslávia entre outras que resistem à dominação imperialista. Até junho de 2020, a Rússia já havia sofrido 250 sanções e o Irã 962 sanções. O caso mais odioso é o da Venezuela que tem 31 toneladas de ouro público apreendidas pelo Banco da Inglaterra, avaliadas em mais de dois bilhões de dólares, e ao solicitar a utilização do seu ouro para fins de combate à pandemia, o banco e o parlamento britânicos negaram o pedido sob o pretexto de não reconhecerem Maduros como legítimo representante da Venezuela e sim o Guaidó; sem falar a situação de Cuba que sofre um bloqueio econômico desde 1962; por fim, os Estados Unidos prometem impedir a Rússia de participar do sistema financeiro internacional – swifft - como a mais nova sanção por sua ação na Ucrânia.


Por outro lado, essas nações sancionadas não têm qualquer poder para imporem sansões a outras nações tendo em vista que estas só podem advir de países imperialistas. A Rússia é um país exportador de matérias primas e apesar de seu poderio militar, herdado da União Soviética, não é uma nação imperialista. O que define uma nação imperialista não é seu poderio militar, mas a participação de seus bancos, monopólios, carteis, trusts e consórcios na partilha mundial do mercado, bem como participar de um pequeno número de nações que dividem o mercado mundial entre si. As nações imperialistas detêm mais de 80% do mercado mundial e a Rússia não está entre as nações que dominam a economia mundial.


A operação militar especial da Rússia na Ucrânia é uma guerra imperialista ou uma guerra defensiva? É uma guerra justa ou uma guerra injusta?

A operação militar especial da Rússia na Ucrânia é uma guerra defensiva e justa. A Ucrânia é o território que os imperialistas americanos, ingleses e europeus estão utilizando para invadir, dividir, colonizar e se apossar das riquezas da Federação Russa e das outras ex-repúblicas soviéticas (Cazaquistão, Bielorrússia, Azerbaijão, Armênia, Quirguistão e Tajiquistão). Não por acaso que a família Biden tem negócios milionários na Ucrânia em operações de empresas energéticas. Essa guerra é parte do projeto imperialista americano, inglês e europeu com vistas a controlar o mercado euroasiático e se apossar das riquezas e do mercado chinês. Portanto, o bando imperialista anglo-americano promove a guerra, a partir da Ucrânia, e a Rússia apenas se defende. Os imperialistas americanos, ingleses e europeus querem colocar sob seu jugo econômico não somente a Rússia e as ex-repúblicas soviéticas, pois já preparam uma guerra para saquear a China a partir de Taiwan.


O caráter de classe da guerra e a posição do proletariado e dos revolucionários.

Por se tratar de uma guerra entre o imperialismo (USA, Inglaterra, Europeu – França e Alemanha) versus uma nação oprimida (Rússia) retrata o conflito de classes atual, sendo os interesses econômicos imperialistas defendidos na Ucrânia pela burguesia nativa e tendo um governo que se apoia em bandos nazistas. Para o proletariado e para os revolucionários não importa, numa guerra justa (na qual uma nação oprimida se enfrenta com o imperialismo) quem deu o primeiro tiro, qual o governo ou regime político reina na nação oprimida, cabendo aos revolucionários defenderem de forma incondicional a nação oprimida contra o imperialismo que impõe fome e miséria às massas ao controlar suas riquezas e subjugar determinada nação à condição de semicolônia.


Os interesses imperialistas na Ucrânia são lucrar, especular, fazer negócios e se apossar das riquezas naturais, ao contrário da Rússia que defende interesses nacionais com o objetivo de organizar a economia de modo a devolver ao povo russo-ucraniano serviços básicos como, saúde, educação, moradia e segurança, constituindo interesses econômicos legítimos do proletariado russo-ucraniano.


Em uma guerra não há neutralidade, ainda que se trate de uma guerra interimperialista, cabe uma posição de classe. No caso específico desta guerra defensiva entre a Rússia e o imperialismo (que tem a Ucrânia como cortina de fumaça) é dever de classe de toda a esquerda estar ao lado da Rússia em nome dos interesses internacionais do proletariado. Posições como “Não à guerra e pela paz” são posições pseudopacifistas na medida em que contribuem para o fortalecimento dos setores reacionários imperialistas e opressores, os quais agem na Ucrânia através do governo Zelensky.


TODO APOIO À RÚSSIA!

FORA AS TROPAS DA OTAN DA UCRÂNIA!

PELO FIM DA OTAN!

PELA DESTITUIÇÃO DO GOVERNO PRÓ-IMPERIALISTA DE ZELENSKY!

PELA FORMAÇÃO DOS ESTADOS SOCIALISTAS DA EUROPA!

FRENTE ÚNICA ANTI-IMPERIALISTA!


Brasil, 26 de fevereiro de 2022.

Fração Trotskista – Vanguarda Proletária

Pela Reconstrução da Quarta Internacional

E-mail: vanguarproleta@hotmail.com

https://fracaotrotskistavanguardaproletaria.wordpress.com/

43 visualizações0 comentário