top of page

A extrema direita ressuscitou?



Antônio Lopes Cordeiro *



Há indícios de que sempre esteve viva, alimentada pelos ditadores de plantão, permitida pela direita, propagandeada pela imprensa golpista e agora ressurge em várias partes do mundo, se alimentando das desavenças políticas e do sangue dos inocentes.


Qualquer análise de conjuntura nacional ou internacional, feita do ponto de vista de uma perspectiva de esquerda, há de passar pelos fatores que geraram o crescimento da extrema direita, tanto no Brasil como em várias partes do planeta.


Trata-se politicamente de um processo complexo em busca de uma raça pura, como uma onda, ocupando o lugar que deveria ter sido construído, organizado, preservado e ocupado pela esquerda e pelos movimentos organizados de todas as matrizes.


Aqui no Brasil está evidente que foi o genocida que criou essa convulsão social e política, com seu descaso, declarações de ódio e armando a população. Uma população violenta e desinformada, que não só votou, como também o tornou seu “mito”. Algo inspirado pelo que foi o governo Trump nos EUA, onde a mentira determinou quem governava.


Esses fatores provocaram uma ruptura cultural e de valores, onde a boa política foi banalizada, tendo início com o golpe contra a Presidenta Dilma, com as famigeradas reformas e o desgoverno do genocida. Famílias se dividiram, amigos e amigas se distanciaram e o mundo da politicalha virou o grande império com base em Fake News.


Sempre tivemos conhecimento de que esse tipo de gente, gerado principalmente pela mente doentia de Hitler e seus aliados sempre existiram, porém numa escala de valores bem pequena, sem uma interferência direta e maior na vida política e pessoal de uma grande parte da população que se deixou levar pelo fundamentalismo religioso e pelos falsos líderes que ainda ocupam um grande lugar de destaque no mundo da política.


É necessário reforçar a ideia de que algo desse tipo só acontece devido à falta de formação política e de organização dos setores em luta por seus direitos, além de uma imprensa golpista e uma Justiça em boa parte parcial.


Há um vácuo deixado pela esquerda, que não consegue organizar uma frente política visando uma nova forma de governar e uma sociedade sem exploradores, nem explorados. O que há de fato é uma certa ilusão com o que chamam de poder, mas se esquecem do que disse Marx – “Num país capitalista quem determina é o econômico...”.


O que fazer? Seguir em luta de mãos dadas com sonhadores e sonhadoras, que nunca desistiram de lutar contra todas as formas de violência, preconceitos e por um mundo justo, fraterno e igualitário para todos e todas. Um mundo onde a justiça prevaleça diante de todas as anormalidades que cometem uma parte considerável da sociedade.





Antônio Lopes Cordeiro (Toni)

Estatístico e Pesquisador em Gestão Social


20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Σχόλια


bottom of page