PAZ


Deobaldo Barbosa da Silva***



Na varanda do meu lar,

escrevo o que vejo:

o mamoeiro,

as plantas,

as árvores,

os pássaros,

o avião nos ares

com seres viventes.

Minha alma calma,

contempla nesse curto

espaço geográfico,

sem nada fazer

e em tudo se refazendo,

lugar que assimilo

como se fosse um

pedacinho do céu.

A chuva cai e não

pode passar despercebida,

trovões de baixa intensidade completam o ciclo fenômeno,

interligando os sons

sem amedrontar.

Uma linguagem sem palavras.

Silêncio momentâneo.

Com a mão suspensa

segurando um lápis,

o meu corpo reivindica

alimento,

a alma estava bem nutrida

e a paz que encontrei na poesia,

será propagada.


Deobaldo Barbosa da Silva - Poeta e Professor de História.

Publicada na Antologia Salvante III.

Dedilhando pensamentos em 2021.

Sarasvati Editora.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rotina